Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Isaías no Benfica!


Primeira Liga 2017/18



E se dúvidas houvessem... eis a confirmação.

por Admirador do Isaías, em 22.03.17

O Sport Lisboa e Benfica tem fundamentos para se queixar, como o fez, acerca da celeridade dos processos, da dualidade de critérios dos mesmos, mas, de facto, não se pode queixar de falta de transparência por parte dos orgãos decisores disciplinares da Federação Portuguesa de Futebol.

 

É absolutamente claro e transparente, com esta confirmação, que, realmente, tal diferenciação no trato disciplinar existe, é implementada e goza de uma celeridade única quando é objectivamente contra o Benfica. Isto porque situações iguais com outros intervenientes têm tido trato diferente, inequivocamente.

E estamos a falar tanto dentro de campo como fora - até aí há coerência.

 

Se dúvidas houvessem... eis a confirmação.

 

Sendo a Selecção Nacional (que até se prepara para jogar no Estádio da Luz) a representação máxima da Federação Portuguesa de Futebol, talvez seja bom momento para aqui citar um Benfiquista do Brasil, que proferiu do alto da sua sabedoria profética:


Grato, caro Benfiquista, por dar voz aos nossos pensamentos, ecoando a sua voz oriunda do passado, clarificando os nossos sentimentos em relação aos directos descendentes de meretrizes que infestam as instituições Portuguesas, como é claro exemplo (apenas um de muitos) a Federação Portuguesa de Futebol.

Retirado do Párem lá com isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:11




4 comentários

De BENFICA365 a 22.03.2017 às 09:51

Meu caro:
Quando a justiça me surpreender com.... justiça!?
Digo entre os meus que nesse dia as duas montanhas que envolvem o belo vale onde moro encostam uma à outra.

Sendo um (quase) ateu, ESPERO E CREIO NA JUSTIÇA DIVINA.
Porque como escreve e bem, neste caso, em particular o futebol mas que até podemos generalizar para outros contextos da sociedade portuguesa... "de meretrizes que infestam as instituições Portuguesas" como posso acreditar e até recorrer em nome da lei e da justiça!?
Em Portugal justiça para essas meretrizes???? Só se for a divina... e mesmo assim, essa tarda!

Saudações Gloriosas

De Admirador do Isaías a 22.03.2017 às 10:39

Caro Benfica365,

Nem vale a pena considerar qualquer recurso ou procedimento dentro das regras de um jogo que está viciado à partida.

Justiça divina? :-) Meu carissimo, seria necessário considerar que o "divino" que supervisiona este mundo fosse por moralidade diferente da que estes descendentes de meretrizes praticam.

Abraço!
A.do Isaías

De BENFICA365 a 22.03.2017 às 11:56

Meu caro:
È nisso que lamentavelmente e desesperadamente acredito... que o "divino" que supervisiona este mundo fosse por moralidade diferente da que estes descendentes de meretrizes praticam.
Porque a outra justiça a dos homens está morta, ou pelo menos é inimputável a esta corja.
Diga-me em que posso crer, ou agarrar-me senão a algo divino, e o divino até pode ser deste mundo, de carne e osso... mas por onde ele andará???
Em Itália ( o cálcio caos) o "divino" foi de carne e osso.
Estas prática não são muito diferenciadas dos anos 90,! E pior são praticamente os mesmos rostos... devo acreditar em quê?

Saudações Gloriosas

De Admirador do Isaías a 22.03.2017 às 14:15

Caríssimo!

Porque estimo "Benficar" consigo, responde de forma mais completa. Perdoe tornar este comentário numa espécie de divagação filosófica e teológica. Ainda assim, saiba que lhe respondo com aprumo e gosto.

Ora então:

A corruptibilidade pelos instintos materiais (necessidade de segurança, conforto, prazer) que manifestamos, primeiro, como humanos, depois, como animais, depois ainda, como seres no geral que têm necessidade de provimento, é, considero pessoalmente, uma demonstração das lacunas de quem criou tudo isto - quer se atribua tal a uma entidade, a um acaso (que também uma espécie de deus com poderes interessantes, segundo o descrevem) ou mesmo a ambos.

Isto não quer dizer que não possa haver outro tipo de vida, se calhar regulada de outra forma, que seja antítese moral desta e, por consequência, sua superior. Admitindo que exista, o que quer que tenha criado essa tal vida inversa a esta, não poderá sofrer das mesmas lacunas que temos em nós e neste mundo, mesmo na natureza (que nada mais é que uma arena, quando retirados os romanticismos).

Se se crer que a compaixão é uma moral universal (o Benfiquista Félix Bermudes acreditava que sim, por exemplo) e que, motivada por essa moral, esse outro tipo de vida deseje influir nesta, visando promovê-la à sua semelhança, então os humanos, entregues à resolução cíclica da sua própria corrupção (através das consequências programadas nos seus próprios comportamentos) poderão um dia ter escape de tal condição: ser levados pelo voar da Águia (o Símbolo).

E que resolução cíclica é essa, a que estamos entregues? Nenhum rei é eterno e por cada rei sentado em seu trono, há uma multidão de jovens pretendentes à sua cadeira de poder. Assim que este caia, um outro se apressará a declará-lo extinto (e mais que declará-lo, executá-lo) para se poder sentar no seu lugar. Tal como na natureza, uma arena.
Desse modo, há justiça programada nas relações humanas - mas é uma justiça parca, grosseira, essa de nos regozijarmos assistindo à desgraça alheia, ainda que justamente sofrida.

Eu tenho a minha crença pessoal, com certeza que sim, pois nenhum humano vive sem crer (mesmo que diga crer na ausência de crença, o que é uma contradição). O meu caro amigo terá a sua e, no contexto actual, ambos com direito a escolha absolutamente pessoal.

Pela minha parte, creio que a esperança a que toda a vida se agarra perante um obstáculo (ou que é visto como obstáculo) é um impedimento ao desenrolar de qualquer viragem moral, pois, agarrados à esperança, desejamos apenas perpetuar o que de origem causou o dito obstáculo ou perpetuar o estado que nos impede ultrapassá-lo. Por isso se reza, não é?
Rezar é apenas manter viva uma esperança que alimenta aquilo que nos agrilhoa.

Com isto lhe digo o que penso: larguemos esperanças, pois nada mudará.
O Benfica, que é no seu âmago e origem um Símbolo, foi, é e continuará a ser atacado e desrespeitado, porque representa (repito, como Símbolo) o oposto da (i)moralidade vigente desta existência. Por isso, aqueles que subsistem à custa dessa (i)moralidade, são incapazes de conviver com esse Símbolo.

Contudo, se, apesar disso, alcançarmos o desfecho de conquistar torneios regulados por este nível de (i)moralidade, não estaremos já a fazer, nós próprios, essa justiça?

«Hércules e o Carroceiro

Certa vez um Carroceiro estava a levar uma carga pesada ao longo de um caminho enlameado. Finalmente ele chegou a uma parte da estrada onde as rodas se afundaram no lodo até a metade e o quanto mais os cavalos puxavam, mais se afundavam as rodas. Assim, o Carroceiro largou o seu chicote, ajoelhou-se e rezou ao poderoso Hércules: "Oh Hércules, ajude-me nesta minha hora de angústia," implorou. Hércules apareceu a ele e disse:

"Vamos homem! Nada de preguiça. Levante-se e ponha seu ombro à roda.
Os deuses ajudam os que se ajudam a si mesmos."»

Cumprimentos!
A.do Isaías

comentar



Admirador do Isaías

foto do autor


O verdadeiro Isaías!


Petição


Isaías celebra o TRI!


Rui Vitória


Campeões Eternos


Cosme Damião


Fehér, eterno 29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Março 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog