Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Isaías no Benfica!


Primeira Liga 2017/18



PluribusUnum7: Palavras Sábias

por Admirador do Isaías, em 02.10.17
Comentário de
 
PluribusUnum7 a 02 outubro, 2017 14:25 no Novo Geração Benfica:

 

Desilusão

É este o sentimento que se apoderou de mim nos últimos dias. Podem pensar que é da equipa, do treinador, dos dirigentes ou de qualquer outra pessoa que trabalha no Benfica. Mas não. Estou desiludido com os Benfiquistas nos quais me incluo. Estou desiludido pela facilidade com que 2 directores de comunicação conseguiram pôr em prática um plano tão simples.

Em termos de arbitragem fizeram o que costumam fazer. Gritaram que o Benfica era o grande beneficiado. Todos os jogos nas primeiras jornadas encontraram erros a favorecer o Benfica. Nessas semanas nunca se falou dos grandes jogos que o Benfica fez. Na Supertaça foi o primeiro golo que era precedido de uma falta. Na primeira jornada foi um golo anulado ao Braga. Na terceira jornada foi o Eliseu. Do futebol que estávamos a praticar nunca se falou.

Mas o plano não se ficou por aqui. Desde o final da época passada começou a haver uma quantidade de comentários anónimos em fóruns e blogues Benfiquistas sempre com o mesmo discurso. As vendas, o passivo que não desce (mesmo sem o relatório de contas ter saído), a defesa, o número 8, o guarda-redes, o Mitroglou, etc, etc.

Eu digo que até achei patética essa estratégia, mas eis que de repente, após 4 jogos em que praticamos um grande futebol, empatamos um jogo em Vila do Conde. Bastou isso. Um empate para todo aquele burburinho criado com antecedência dar frutos, e tudo e todos serem postos em causa. Desde aí a equipa joga sobre brasas. No jogo seguinte com o Portimonense a equipa já era assobiada no seu próprio estádio e a partir daí foi uma bola de neve.

E depois olhamos para os planteis e eu penso. Mas somos mesmo pior que os outros? Um frango do Varela é pior do que um do Casillas? André Almeida é pior que Piccini? Porque é que se fazem contagens dos jogos em que Grimaldo ficou de fora desde que está no Benfica (mesmo a primeira meia época em que ficou de fora por opção) e não se contam os de Coentrão no mesmo período? Por que é que a idade do Luisão incomoda e a de Mathieu não? Ter Fejsa, Samaris e Filipe Augusto não é melhor do que Danilo e mais ninguém ou William e mais ninguém? Pizzi é pior que Battaglia ou Oliver? E se nenhum destes 3 poder jogar, Porto e Sporting têm alternativas mais válidas do que o Benfica para os substituir? Ter 4 ou 5 extremos de qualidade é pior do que ter 2 de qualidade e não ter ninguém para os substituir como acontece com o Porto e Sporting? Ou ter 4 avançados de qualidade é pior do que ter apenas 2/3 como os outros?

Mas mesmo para os que não pensam como eu tenho uma novidade. Até 1 de Janeiro o mercado não volta a abrir e são estes que temos de segurar. São estes que não podemos deixar cair.

Quem está a ser fraco no meio disto tudo não são os jogadores, treinadores ou dirigentes. Quem está a ser fraco e comido de cebolada somos nós que não paramos de aumentar o ruído em torno da equipa. Somos nós que estamos a fazer de uma equipa vencedora, uma equipa que duvida de si própria, enquanto outros sem títulos nos últimos anos jogam tranquilos e sem qualquer pressão.

Eles não vão ganhar sempre, bem pelo contrário. Os problemas mais cedo ou mais tarde vão aparecer. Nós temos é que estar em posição de aproveitarmos esses momentos maus que eles vão ter. Mas para isso temos de voltar a ser Benfica. E para voltarmos a ser Benfica temos de olhar para o nosso símbolo, ler o lema que lá está inscrito e colocá-lo em prática.

E PLURIBUS UNUM

 

<--->

 

 Acrescento de minha lavra:

 

Ontem que percepção transpareceu do jogo da equipa?

Entrou a marcar, num terreno impraticável. Enfrentou um Marítimo organizado, mas incapaz de suster o jogo do Benfica (mesmo sem ser avassalador), contando com um guarda-redes em grande nível que impediu o segundo golo em diversas ocasiões, junto com alguma sorte dos seus defesas. Esta foi a equipa até pouco antes de sofrer o empate. Depois, depois sim, caíram-lhe novamente os fantasmas em cima, concordo, mas até ao empate? Bastava que uma das bolas que Charles defendeu, ou que bateram num defesa, tivesse entrado. Quantos jogos assim já ganhámos a partir das bancadas?

Honestamente, não jogámos nem melhor nem pior que em Chaves e aí ganhámos e estávamos todos com a equipa. No ano do Tri, ganhámos no Bessa jogando bem pior que neste ano. Foi uma festa - "os campeões fazem-se de jogos assim", dizia-se na altura.

 

Não estou a dizer que não podemos nem devemos ter opiniões. Estou a dizer que mesmo sabendo que, por exemplo, um filho ou amigo nosso está com problemas na missão que tem em mãos, a última coisa que se pode fazer é deixar afundar. Podemos aconselhar, até passar raspanetes, mas isso tudo fora do olho público. Entendam, de uma vez por todas que a internet, o Facebook, os blogues, os comentários nos sites dos jornais, são espaço público - e mais: público e anónimo. No café ainda se sabe quem disse o quê.

 

A percepção dos Benfiquistas no geral em relação à equipa está definitivamente negativa, reforçada que foi pela desorientação com o Portimonense, pelo resultado do Bessa e pela vergonha em Basileia. Contudo, na minha opinião, a mesma foi influenciada de fora, daí concordar com este comentário que coloquei em destaque aqui.

 

Então quando li um post, no mesmo blog de onde veio este comentário, a demonstrar grandes saudades de Jorge Jesus porque conseguia "esmagar os adversários" e encher estádios com futebol espéctaculo, tive a certeza de que há forças externas a aproveitar-se da emotividade Benfiquista. Jorge Jesus ganhou tanto quanto perdeu em seis anos. Até de um Hapoel de Tel-Aviv levámos 3-0, sem serem mais porque o adversário não tinha mais para dar. Rui Vitória, por sua vez, em dois ganhou bem mais do que perdeu. Só que as pessoas teimam, inadvertidamente, a confundir calma e carácter com fraqueza, enquanto associam manha e arrogância a competência - este foi o legado comunicacional de Mourinho, que Jesus aproveitou para elevar a sua personalidade, só que Mourinho é muito melhor que Jesus, tal como Rui Vitória o é. O Tri e o Tetra, com os problemas pelos quais os planteis passaram, tinham ardido com Jesus (como aliás arderam para o Sporting e com um salário absurdo).

 

Ainda ontem vimos um Sporting a jogar em casa, amedrontado e sem conseguir sair para o ataque durante os noventa minutos, por um Porto cuja única arma é a velocidade e força física de Aboubakar e de Marega (veremos quando houver lesões ou impedimentos).

 

A equipa do Benfica está a jogar ao nível que nos habituou no passado recente? Não. Só que daí a fazer-se este apedrejamento público de alto a baixo, a partir de um empate fora, é inteiramente inapropriado.

 

A época foi mal planeada? O presidente vende jogadores a mais? O treinador insiste nos jogadores em que crê e que sabe que são muito mais que estes últimos jogos? Isso é conversa que podemos ter, com certeza, mas sem esta berraria de fim-de-mundo, pois com isto só estamos a moralizar um Porto que quer dar aparência de forte mas que para além de estar com a faca na gargante, conta com um desmancha-balneários que só deixou cacos em Coimbra, Braga, Guimarães e até Nantes. Estamos a dar força ao balneário e à liderança deste arruaceiro que agora até só fala do Benfica para dizer que "a crise está à vista" - isto é conversa para os dele, não para nós! Ele até já diz que vai ser campeão! Não percebem a ligação das coisas?

 

Houve eleições recentemente, não houve? Apareceu oposição a Vieira? Não. Então ao fim de quatro ou cinco jogos maus depois do Tetra, querem substituí-lo por quem? Eu reafirmo que não gosto de Luís Filipe Vieira pessoalmente, não gosto do tipo de pessoa, não gosto do tipo de gestão (mas entendo o resultado e o rumo, não gosto do método), não gosto da forma como se pavoneia à custa do Benfica, mas quem queriam agora, neste preciso momento, ao fim destes anos todos, que o substituísse? Que aparecesse um salvador, de repente, saído de um bolso qualquer, que visse, com uma revolução estilhaçar o resto dos ânimos? Então o ano passado foi enaltecido como Presidente sem concorrência, com grande votação, e agora já é para queimar?

 

Haverá tempo e espaço próprio para debater e até encontrar alternativas, se for o caso, tanto para Presidente como para Treinador, como para Jogadores.

Mas agora, vamos lá ter calma e focarmo-nos no importante.

 

São bons ou maus jogadores, são bons ou maus treinadores, tudo isso debatível e discutível, mas são do Sport Lisboa e Benfica e envergam o manto sagrado.

Depois fazem-se as contas e pedem-se responsabilidades (ou atribuem-se louros), mas neste momento não há dragarto que me faça virar contra a minha Luz. Mantê-la-ei acesa contra o vendaval que querem montar à nossa volta e demonstrarei, mesmo discordando, lealdade para quem representa, trabalha e já elevou o símbolo do Glorioso a conquistas tão importantes e celebradas.

 

PluribusUnum7: Palavras Sábias, Grato!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 19:57




16 comentários

De Anónimo a 03.10.2017 às 00:33

existe uma mania de comparar com os outros, mas quero eu lá saber se os outros estão pior ou se cometem os mesmos ou mais erros o que interessa somos nós.

mas agora agora a equipa joga mal porque tem menos apoio, mas isso faz algum sentido.
mas agora os meninos não podem, ouvir criticas ou assobios que se borram todos, se eles ouvem palmas quando merece, e já vimos no passado até quando não mereciam, também podem ouvir criticas quando jogam mal.

não estamos a produzir o mesmo que no passado, mesmo em chaves tivemos oito ou nove oportunidades para marcar, o que não aconteceu neste jogo em que só tivemos cinco, com a agravante de termos marcado cedo e obrigatoriamente o adversário nunca esteve tão fechado.

sim esta estratégia já não é nova, em vantagem baixar o ritmo e gerir o jogo, só que neste momento por motivos vários, que podemos discutir quais, a equipa não tem qualidade ofensiva e produz menos tem muito menos eficácia, e pior não tem qualidade para segurar a bola e a defesa mesmo permitindo quase as mesmas ocasiões aos adversários a verdade é que eles marcam muito mais.

De Admirador do Isaías a 03.10.2017 às 09:17

Caro anónimo,

Respondendo por pontos:

1) Crítica, usando a definição da palavra, é sempre benéfica por ser construtiva. Enxovalhamento, irado ainda por cima, é completamente nefasto. É exigível controlo emocional aos jogadores, mas é também exigível aos adeptos, ainda que em menor escala, por não estarem em campo. O que nós transmitimos à equipa, a equipa recebe - é esse afinal, o colinho.

2) Portanto a diferença entre Chaves e Funchal foi, para si, tremenda, mas resume-se a uma diferença de 3 a 4 oportunidades de golo (que em Chaves nem foram assim tão claras, sejamos honestos)? Com um bocadinho mais de sorte na finalização, não teríamos ganho em Vila do Conde também? Curiosamente, o jogo da Liga Portuguesa em que jogámos miseravelmente, ganhámos (Portimonense).

3) Não vi o Benfica a querer segurar a bola e baixar ritmo. Vi a equipa a querer marcar o segundo, até na segunda parte, mas a bola não entrava. Quem não marca arrisca-se a sofrer e foi o que aconteceu. Aí, voltaram os fantasmas sobre a equipa, pois sabiam que cada erro seria um escandalo entre os mesmo adeptos que com eles celebraram nos Maios anteriores. Ter ganho não dá qualquer garantia de voltar a ganhar. Os jogadores têm de se aplicar como se nunca tivessem ganho. No entanto, o descrédito que adeptos demonstram por eles é um exagero absurdo e até infantil.

Cumprimentos,
A.do Isaías

De joão carlos a 04.10.2017 às 00:36

primeiro quero pedir desculpa por o comentário vir anónimo mas o sapo não identifica google users.
1- mas futebol é paixão são emoções, e atenção a minha critica é à ideia que os jogadores só lá vão se apoiarmos, uma coisa é apoiar, e isso nem sequer tem faltado, outra é os jogadores só produzirem se apoiado, eles não são amadores são profissionais e muito bem pagos.

2-discordo da avaliação neste jogo tivemos duas enormes oportunidade a que deu golo e a do jimenez e depois tivemos duas oportunidades não tão flagrantes uma do jonas e outra do salvio.
em chaves na primeira parte tem uma oportunidade do salvio num remate que o guarda redes defende a meia com o poste depois um lance de salvio que ultrapassa o guarda redes e é um defesa a cortar a bola quando ia já na direcção da baliza.
na segunda bola do jonas no poste, depois luisão no poste, e o lance do golo. ainda tivemos dois lances não tão flagrante numa bola que bate na parte superior da trave e um lance que eles quase faziam autogolo.

se não acha este lances mais claras então não sei o que são lances claros.

3-discordamos mais uma vez a pressão na primeira parte só durou 10 minutos a partir dai empastelamos o jogo não sei se queria ou não baixar o ritmo a verdade é que baixou..
na segunda parte sim fomos à procura de marcar mas só não entrou a bola do salvio.

os adeptos tem descrédito sobre determinados jogadores que a única coisa que demontraram foi provar que nem mereciam estar no plantel, agora temos outros que não deveriam jogar porque não estão em forma, e mesmo assim continuam a jogar, mas a culpa não é deles mas de quem os coloca a jogar.

De Admirador do Isaías a 04.10.2017 às 08:29

Caro João Carlos,

Claro que os jogadores, quer se apoie quer não, tentarão vencer. Contudo, o ser humano não funciona assim socialmente e o futebol é um jogo social, pois inclui as emoções de multidões. Essas emoções, essas multidões, essas percepções, afectam sempre, de uma forma ou de outra, qualquer ser humano, desde jogadores, a treinadores e árbitros.
Este buraco emocional em que a equipa se encontra - e que é somente emocional (não me venham com as tretas dragartas de que o Rui Vitória aproveitou os automatismos do antecessor e que agora perderam a forma de jogar!) - será mais fácil de eliminar se contarem connosco. E quando digo isto, incluo contar com a nossa exigência também, mas assobiar ou apupar os elementos da nossa equipa não é exigir, é ser infantil. Cada recuperação de bola deve ser acompanhada por um "bruá" nas bancadas e incentivo para o desenrolar da jogada.

Quanto aos lances claros, isso realmente depende, pois o Sálvio, o Cervi e o Grimaldo conseguiram várias vezes passar a linha defensiva do Marítimo e chegar à linha de fundo. Faltou definição? Sim. Mas faltou também um pouco de fortuna naqueles momentos em que a bola toca no pé de um defesa no cruzamento ou o passe que sai ligeiramente para a frente ou para trás. É um futebol-maravilha? Não, mas no momento emocional da equipa não pode ser. Primeiro há que recuperar disso e aí entram os adeptos.

É emocionalmente que os adeptos estão a falhar, pois estão a deixar que a frustração tolde e comande os seus pensamentos.

Vamos imaginar que tínhamos um plantel retalhado que tinha de enfrentar uma equipa, numa final da Taça de Portugal, que tinha acabado de vencer uma Champions. Será que seria com desconfiança que venceríamos? Ou com incondicional apoio? Nós, adeptos, empurrámos o nosso Sport Lisboa e Benfica para essa vitória, quando todos os outros esperavam que saíssemos goleados.

A particularidade do Glorioso é que é tão mais forte quanto mais forte forem os seus adeptos. Isto há que ser entendido de uma vez por todas.

Discuta-se, debata-se, mas durante os 90 minutos, não há dúvidas!

Cumprimentos,
A.do Isaías

De joão carlos a 05.10.2017 às 00:16

existem duas coisas distintas uma são os assobios a uma jogada, e isso é parvo, outra são os assobios ou apupos no fim ou até mesmo no intervalo esses mesmo não os fazendo acho que quem os faz tem direito a eles.

o apoio que diz não tem faltado mesmo nos maus momento, só para ver tivemos dois péssimos resultados que em outras ocasiões tiveram espera aos jogadores que desta nem aconteceu.

os tais assobios que aconteceram foram apenas para um ou outro jogadores, os tais que sinceramente nem deveriam estar no plantel, mas a culpa não é deles mas de quem os contratou e os coloca a jogar.

mas onde acho que o seu pensamento falha é que esta crise não começou com a falta de apoio, isto começou com tres péssimas exibições e consequentes maus resultados e só ao quarto é que começou a contestação.

eu até percebia a teoria da bola não entra se de facto ela custasse a entrar, como aconteceu com o paços, ou começar em desvantagem agora em 2/3 dos resultados negativos estivemos em vantagem e ainda mais grave muito cedo nas partidas e isso é que deixa as pessoas descontentes é que depois por estratégia em todos esses andamos a pastelar em vez de acabar com o jogo de vez.

De Admirador do Isaías a 05.10.2017 às 08:46

Caro João Carlos,

Entendo. Note, contudo, que não digo que este momento começou pela falta de apoio. Começou sim por um jogo mal conseguido (mas ganho) com o Portimonense e uma infelicidade do Varela no Bessa (com culpas para toda a defesa).

A avalanche começou aí e não nos adeptos. Não é isso que quero transmitir. O que quero dizer é que a partir do momento inicial, começaram a surgir e a serem disseminadas ideias de fora para dentro para semear o "pânico" entre os adeptos: que já tínhamos perdido o campeonato, que o Rui Vitória não presta, que o Vieira fez de propósito para perder o penta, que os jogadores já não têm motivação, etc, etc. E aí, no escalar da situação, a responsabilidade cai sobre os adeptos porque estiveram a dar ouvidos e a retransmitir a mensagem do Inimigo, ao invés de olhar para as coisas de um ponto de vista mais racional e protegendo-se desta campanha comunicacional.

Alguém com o mínimo de observação pode afirmar que este é um super-Porto?! Comparar o Sérgio Conceição ao Mourinho?! A sério? Que com o Jesus é que era, porque esmagávamos?! Que o Rui Vitória vivia dos automatismos do Jesus, quando teve sucesso (ao nível dos clubes que representou) bem antes do Benfica e grande fatia dos jogadores mais utilizados o Jesus nem os conheceu?! É disto que falo. Isto afasta os adeptos emocionalmente da equipa. Já estão a ver o jogo à espera do motivo que confirme o seu assobio. A campanha quer ver Rui Vitória fora do Benfica, porque os nosos Inimigos RECONHECEM O SEU REAL VALOR e por isso querem-no fora, querem que nós, Benfiquistas, corramos com ele.

E a isso eu oponho-me veementemente. Critique-se, em debate Benfiquista! Também o posso fazer, sobre o desempenho dos jogadores, até falar de ajustes tácticos, etc. Agora participar nesta campanha, NÃO. Isso recuso-me, entende, caro João Carlos?

Acho que, honestamente, se alguns dos lances referidos tivessem dado golo e tivessemos vencido, não estaríamos agora aqui a ter esta conversa.

Cumprimentos!
A.do Isaías

De joão carlos a 05.10.2017 às 23:43

mas o problema começo antes em vila do conde onde a exibição já tinha sido muito pobre.

mas isso do pessimismo não é uma coisa externa sempre foi o coisa interna, dos adeptos, que eu conheço desde sempre, no meu caso desde a década de oitenta.
que alias aconteceu no primeiro ano do vitoria isso não é novo e os jogadores tem de saber ao que vem, alias estes já deveriam saber.

o que tem sido uma novidade é essa comparação com os outros isso é uma tendência, nova e perigosa, e nessa não viu referencia.

mas uma coisa é o ruído que os outros se aproveitam, alias sempre aproveitaram, e nós quando é ao contrario também nos aproveitamos, mas isso não nos pode impedir de descutir os problemas.

De Admirador do Isaías a 06.10.2017 às 08:03

E eu reafirmo, caro João Carlos, que sou a favor do debate e crítica internas.

Há é que identificar o que nos chega externamente e não cair em tais ratoeiras.
Leio entre os Benfiquistas muita repetição do mesmo pequeno sumário de ideias (que já apontei) que nos chegou lançado pela comunicação de quem nos quer mal.

Cumprimentos,
A.do Isaías

De Anónimo a 03.10.2017 às 01:04

Não publicar

Saudações Gloriosíssimas

Tenho ideia que quando o verbo haver significa existir utiliza-se «Houve» em vez de «Houveram»

https://ciberduvidas.iscte-iul.pt/consultorio/perguntas/houveram/1006

Continuação de bom trabalho

Rumo ao P3N7A

De Admirador do Isaías a 03.10.2017 às 09:03

Corrigido!

Grato!
A.do Isaías

De Ricardo Fernandes a 03.10.2017 às 10:23

Olá Isaias,

Estamos no século XXI. Hoje já não há conversas de café, há o facebook, há as redes, há os blogs. Toda a gente tem uma opinião e toda a gente tem direito a uma. São os novos tempos, há que saber adaptar-se a eles e não estar constantemente com a ladainha que o barulho faz mal à equipa. Tem de se habituar, como nós nos habituámos a tudo o resto que é evolução. Hoje com o acesso à informação que existe, há um maior conhecimento do jogo e dos processos, pelo que mais gente poderá aportar defeitos e culpas, algumas por vezes injustificadas, mas é assim a vida.

Há imensos pontos que não concordo contigo. Por exemplo onde Rui Vitória é melhor que Jorge Jesus. Não o é. E este não é, nada tem que ver com liderança, postura ou maneira de estar. Agrada-me mais ter alguém como Vitória, porém começo a ficar cansado das frases feitas. O que não é melhor é tacticamente. JJ falhou e falha porque deixa que a sua prepotência e arrogância lhe toldem e acabem por minar o seu sucesso, como aconteceu o ano passado no pós Madrid. Independentemente disso, é notável que o seu trabalho em campo e no treino é melhor que o de Rui Vitória. Desde o início que a base e modelo de jogo de JJ são usadas neste Benfica de RV. Toda e qualquer variação que colocou em campo, foi para pior e não para melhor. Mesmo no primeiro ano, onde consegue aportar uma dinâmica diferente à equipa (muito mais pelas lesões do que pela inclusão de Renato - senão veja-se como é jogar com um extremo que também apoia o meio campo e deixar de ter Luisão para ter saída de bola com Lindelof), optava por insistir em variações que em nada beneficiam um clube superior como o nosso. Só defende em bloco, não ataca em bloco, nem estica a equipa - subindo a defesa e permitindo aos médios estar mais junto dos avançados, que raramente descem, para impedir o adversário de progredir. É uma espécie de uma linha de 6 atrás da linha de bola. Mais, não há uma jogada de laboratório, nem em cantos, nem em lançamentos, nem em livres indirectos. Sempre da mesma forma, sempre tentando o mesmo esquema, vezes e vezes sem conta, como se por repetir o erro inúmeras vezes acabará por começar a correr bem, só porque sim. A táctica tem de ser sólida, segura e aportar soluções À equipa. Não tem de ser o caminho mas tem de dar opções de caminho, para que mesmo quando as melhores unidades não estejam na sua melhor forma, a equipa possa ganhar, possa ter alternativas e caminhos para chegar lá À frente. E o que tens no Benfica de Rui Vitória é a ausência de caminhos. Quando algo corre mal, é aos tropelões lá para a frente sem nexo, nem critério. Parece que sem os melhores, nas melhores condições, nada funciona e a verdade é que é a táctica potencia os jogadores, não são os jogadores que potenciam a táctica.

Além disso, há que ter sempre presente que não há tácticas perfeitas. JJ foi o rolo compressor quando chegou ao SLB, porque era tudo novidade. Hoje, 8 anos depois não é igual, porque à sua volta, tudo evoluiu e hoje sabe-se parar JJ. Ora se o modelo de Vitória não inova sobre isso e continua igual, sem unidades melhores que façam a diferença é impossível ganhar.

Os benfiquistas não estão longe da equipa. Os Benfiquistas só querem ver o Benfica ganhar. E o que eles vêm hoje é que o tetracampeão, não consegue ter soluções para contrariar o mais simples adversário. O que vêm é erros de colocar tipos velocistas e de transição em jogos de batatais ou tirar extremos para por avançados, depois pondo os outros extremos a defesas, quando as coisas correm mal. Não há um remate de longe. Não há uma ideia.

E isto não vem de um empate fora, como é óbvio.

De Admirador do Isaías a 03.10.2017 às 11:27

Caro Ricardo Fernandes,

1) É verdade que estamos num mundo diferente dos tempos do tribunal terceiro anel (que até começaram bem antes de esta bancada estar concluída no estádio, certo?) - é esse precisamente o meu ponto de vista. Tudo mudou: o tipo de futebol, os clubes, os treinadores, os intervenientes, os salários, a gestão, etc, mas o adepto quer manter-se igual. Por um lado, quer que a gestão seja feita como "nos bons velhos tempos", sendo que esses tempos não voltam mais. Por outro, querem comportar-se como nos tempos em que o Benfica era tão melhor, tão dominador (especialmente em Portugal), que tinha de estar a ganhar 2-0 nos primeiros 20 minutos de jogo. Só que, como disse e bem, Portugal mudou, o mundo mudou e o lugar do Benfica e de Portugal nesse mundo, mudaram também. O Benfica não ficou mais pequeno, os outros é que ganharam acesso a melhores condições, pela abertura mercantil que se deu.

Repito e reafirmo: não se trata de ter opinião, trata-se de ter cautela e responsabilidade no que se diz e faz, pois os olhos do mundo estão sobre nós também. Adaptem-se, pois, como diz o próprio Ricardo.

2) Lamento, mas não engulo essa de que tudo o que Rui Vitória fez foi aproveitar o que Jesus deixou. Isso é o que Jesus, ainda estava no seu primeiro ano de Benfica e tudo, quis fazer sempre transparecer: que ele era um dos melhores treinadores Portugueses e que todos o copiavam. É um excelente treinador de campo? É. No entanto, não é tão bom quanto ele pensa ser.

É que se isso fosse verdade, pergunto: No trabalho de que treinador se baseou no Paços de Ferreira, em que fez sempre boas Ligas para um clube daquele nível e chegou a uma final da Taça da Liga (contra JJ, curiosamente)? No de Ulisses Morais, seu antecessor?
No trabalho de que treinador se baseou Rui Vitória para levar o Guimarães à vitória numa Taça de Portugal (também contra JJ, precisamente) e duas qualificações para a UEFA, num Guimarães que estava de rastos? No trabalho de Manuel Machado?
Sinceramente!
E os adeptos do Guimarães são mil vezes mais agressivos que os do Benfica, são um verdadeiro exagero!

Rui Vitória já deu provas do seu real valor, só que isso na opinião pública tem menos peso porque as pessoas adoram um chico-esperto. Só assim há tanto apoio a um Bruno de Carvalho no Sporting e há mais de 30 anos a um Pinto da Costa (com Pedroto na altura) no Porto. AS PESSOAS TENDEM A INTERPRETAR CARÁCTER COMO FRAQUEZA.

Podemos discordar nesse ou nos outros pontos todos. O que não podemos fazer é ser injustos e irracionais.

3) É claro que os Benfiquistas só querem ver o Benfica ganhar! Óbvio! O que os Benfiquistas têm de perceber é que não vão aproximar-se de vencer porque gritam mais ou esperneiam mais perante os mesmos ídolos com quem festejaram recentemente! Então afinal, são da família ou são lixo? É quando as pessoas estão num momento baixo que se vê quem é leal e quem, de nosso "amigo", passa a coveiro. Isto é verificável tanto na nossa vida pessoal, como no futebol.

Não julgo nem condeno os Benfiquistas que se exaltam nesta altura, mas apelo à sua auto-observação, auto-reflexão e, naturalmente, calma racionalidade. Este é o momento para não os deixar cair - e, por isso, eu tenho e terei sempre uma admiração muito especial pelos No Name Boys.

Cumprimentos,
A.do Isaías

De Ricardo Fernandes a 03.10.2017 às 12:03

Caro Isaías,

Estás a deturpar aquilo que escrevi. Em lado nenhum escrevi que Rui Vitória é somente um treinador aproveitador. O que escrevi foi que este Benfica de Rui Vitória não é mais que uma versão do Benfica de JJ. A prova disso está que ele até chegar ao Benfica, nunca tinha tido este modelo. É neste modelo que falha, e que falha em elevar a equipa para novos patamares, não obstante os campeonatos e os títulos ganhos. Onde tu escreverás por, eu escrevo apesar de. São opiniões. Eu escrevo, que (embora isto pareça reduto e até é) és campeão no primeiro ano devido às lesões de Salvio e Luisão, como da mesma forma digo que foste campeão com JJ porque se lesionou Artur, Salvio e Cardozo entrando Oblak, Markovic e Rodrigo. E repara que não é um contrasenso dizer que JJ também passou por isto. Nesse ano, os jogadores acabaram por fazer a diferença porque vinhas de uma época onde ajoelhámos no Dragão.

Não se trata de chico-espertismo. Há apenas que olhar para futebol e ver o que está a acontecer. Mesmo o ano passado a equipa jogava um terço daquilo que é capaz. Poderás dizer que é porque perdes jogador A ou B, eu subscreverei o que escrevi acima: é a táctica potencia os jogadores, não são os jogadores que potenciam a táctica.

Mas vamos a um exemplo: Vitor Oliveira é um dos mais titulados treinadores portugueses. É por isso que singraria num Benfica? Ou outro grande?

Outro exemplo: Scolari. Titulados, como milhares nesse mundo fora que ganham em clubes menores, onde a exigência é menor. A nossa dimensão nada é comparável com a desses clubes.

Não digo com isto que Rui Vitória é um treinador mau. Digo apenas que não serve para o Benfica. Nem serve para aquilo que estes jogadores e este plantel pode fazer.

De Admirador do Isaías a 03.10.2017 às 14:10

Caro Ricardo,

Não vejo assim. O Benfica jogou nestes dois anos (Tri e Tetra) melhor que nos anos do Bi de Jesus. E no entanto, tinhamos planteis nestes últimos dois com menos qualidade que nos anos em que JJ tanto ganhou como ficou em branco (tirando a Taça da Liga).

Esta época começou com um futebol envolvente e concretizador. A seguir às selecções, houve um solavanco e o pavor interno daqueles que mais significam para o Glorioso (os sócios e adeptos), que, a meu ver, concordo que foi trazida de fora para dentro, passou a pesar e de que maneira sobre as cabeças dos jogadores. Cada passe errado era como um passo para o abismo. Quanto mais medo de errar se tem, mais se erra e gera-se uma avalanche que há que inverter e que, estou seguro, será invertida por Rui Vitória. Porque haveríamos de ter medo?! Medo de quê?! De perder?! Todos queremos o Penta, mas mesmo na eventualidade de não fazermos os 5 seguidos, quem tem sido a força dominante nestes últimos 5 anos? É por causa de igualarmos o Porto, é isso? Temos medo de eles serem os únicos com Penta na História?
Eu quero lá saber quanto ganhou o Porto! O Benfica só se compara com a sua História! Ganhando o Penta, ganhamo-lo por nós, porque nós nunca o fizemos antes, não por causa do Porto! Não podemos ter medo. Foi quando perdemos o medo colectivamente (eu incluído, que aprendi a lição) no ano do Tri, que arrasámos tudo, porque pensávamos que não íamos a tempo de ganhar! Tudo menos medo, das bancadas para dentro da equipa!

Isto não é o FCP, onde se dão "apertões". Eles sim, são o símbolo máximo do quanto o Chico-Espertismo é valorizado pelo nosso povo e o quanto JJ se identifica com essa postura, tantas foram as vezes que andou a namorar para ir para lá.
Lamento discordar, caro Ricardo, mas insisto que se trata de simpatia pelo Chico-Espertismo, sim. Os Portugueses têm um fraquinho por patos bravos e isso vê-se em todos os sectores sociais, todos.

Vitor Oliveira não tem estrutura mental para um grande. Por isso é que só agora, ao fim de tanto tempo na sua zona de conforto, decidiu arriscar de novo a I Liga. Digo-te mais: vai descer de divisão, porque ele é esperto, sabe de bola à antiga, mas é fraco na sua força mental. Rui Vitória tem, por sua vez, essa força - e já o demonstrou esta época.

Eu não quero ter razão ou deixar de ter, nem sequer estou a comparar activamente Rui Vitória com mais ninguém, mas responde a tais comparações para defender o BENFICA, se for caso disso. Eu prefiro manter-me com os meus, tendo em conta o quanto já me provaram estar errado no passado (e de que maneira!) e o quanto temos ainda pela frente para conquistar.

Cumprimentos,
A.do Isaías

De Ricardo Fernandes a 03.10.2017 às 16:01

Pois é nesse teu primeiro ponto que discordamos totalmente.

Um grande abraço Isaías, o Benfica é isto. Pluralismos, diferenças de opinião mas tudo com um objectivo comum: GANHAR. Carneirismos é para os outros.

De Admirador do Isaías a 03.10.2017 às 16:07

Caro Ricardo,

Jamais terei problemas com opiniões divergentes. No dia em que acordar, olhar à volta e todos pensarem o mesmo, saberei que estou afinal num pesadelo em que sou Fruteiro. É só beliscar-me nessa altura :-)

Grande abraço e comenta sempre com a tua opinião autêntica e sincera.

Cumprimentos,
A.do Isaías

comentar



Admirador do Isaías

foto do autor


O verdadeiro Isaías!


Petição


Isaías celebra o TRI!


Rui Vitória


Campeões Eternos


Cosme Damião


Fehér, eterno 29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog