Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Isaías no Benfica!


Primeira Liga 2017/18



Sugestão

por Admirador do Isaías, em 17.09.17

Triste mas sem exageros que seriam naturais, prefiro não escrever acerca do jogo do Bessa, onde assisti a excelentes 20/30 minutos da nossa equipa, para depois se desmontar física e mentalmente. Só que há que trabalhar mais e parece que não há preparação física para isso neste momento.

 

Prefiro, assim, deixar aqui um curto pensamento, uma sugestão.

 

Heriberto, Willock e Alex Pinto são parte da solução para esta época.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 11:48


Alerta Vermelho

por Admirador do Isaías, em 08.09.17

Ainda estou com o coração nas mãos.

 

Alerta Vermelho para uma equipa Tetra-Campeã do Sport Lisboa e Benfica, que não pode se deixar levar emocionalmente por uma equipa bem organizada como a do Portimonense. Não pode haver outra exibição assim esta época, muito menos na Luz.

 

Faltou inspiração, atitude e calma. Existiu Estrela.

Grato Quarto Anel pelos Três Pontos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 22:56


Os diversos Benficas do Glorioso

por Admirador do Isaías, em 02.09.17

Acompanho, conforme o meu tempo me permite, o blogue Novo Geração Benfica, por ter como autores pessoas que são apaixonados Benfiquistas, com opiniões tão díspares quanto o alcance das asas bem abertas da Águia no símbolo do Glorioso.

 

Algo me aconteceu, pessoalmente (e que não revelarei aqui), há dois anos, com a conquista do Tri, que fez a minha postura perante o Benfica actual alterar-se. Como entendo, em primeira mão, a profundidade das preocupações de alguns dos Benfiquistas que escrevem nesse blogue (bem como noutros, diga-se), decido agora escrever algo breve sobre essa visão do Benfica e de como o clube é gerido actualmente, que tenho uns minutos antes da Supertaça de Futsal.

 

A questão é que não foi o Benfica que mudou desde os saudosos tempos do Eusébio, do Coluna e de toda aquela constelação Mística. Foi o mundo. Aliás, o mundo Português começou a mudar com atraso, só em 1974, quando noutros países essa mudança já se tinha feito sentir. Não estou a classificar essa mudança como "boa" ou "má", pois isso não é conversa para aqui chamada. O facto é que o mundo em si mudou drástica e repentinamente nos últimos 50 anos e para uma significativa fatia dos Benfiquistas essa mudança, em particular após a depressão dos 1990's e 2000's, não foi possível de assimilar devidamente. A posição de Portugal no mundo alterou da noite para o dia, a sua importância económica e estratégica também. A descolonização secou o principal viveiro de talento do Sport Lisboa e Benfica, tanto ou mais do que quando surgiram o Casa Pia Atlético Clube e o Clube de Futebol "Os Belenenses" nos anos 20. No entanto, só em 1979 é que o Benfica se começou a adaptar a uma realidade cada vez mais evidente: que o futebol iria deixar de ser um desporto e passaria a ser um negócio, tão competitivo e desleal como os outros negócios todos.

 

Hoje vive-se na época dos 200 e tal milhões do Neymar, com dinheiro do petróleo, precedente aberto pelo magnata Russo do Chelsea e, por isso, o peso do Benfica no mundo de futebol, ainda que mágico na capacidade que tem de chegar a todos os cantos do mundo, é muito inferior do que era há 50 anos.

 

Ao fim deste tempo todo, o Benfica vive agora uma nova página da sua História, imerso num mundo cada vez mais incivilizado, sediado num país cada vez mais desprovido do seu carácter, do seu amor-próprio e da sua força estratégica - num país cada vez mais ajoelhado às forças de um Império que, ao contrário de Roma, não se manifesta com estandartes nem com armas.

 

No futebol dentro do campo, o empate com o Rio Ave (que até nem foi nenhum resultado desastroso, porque o Rio Ave é, neste momento, o 4º clube do futebol Português a nível estrutural, na minha opinião) trouxe à tona as inseguranças todas que parte dos Benfiquistas tem sempre perto de si, como aquela fotografia do momento que queremos esquecer, mas que guardamos no álbum mais precioso. Passámos a ter que refazer o plantel de alto a baixo, porque temos de ganhar os jogos todos - comparando com um tempo em que os clubes periféricos mal tinham campo de treinos, quanto mais equipa para se bater com o profissionalismo que o Benfica já evidenciava nos 60's. Empatámos este e perderemos mais pontos noutros jogos. Os grandes já não jogam sozinhos. Mais a mais, o Benfica já não é visto como grande na UEFA, a par por exemplo, de um Chelsea, devido à sua posição. O Histórico serve os puros e os românticos, mas a UEFA e os parasitas que gravitam à volta do futebol não querem saber disso, apenas do poder.

 

Colocado num mundo assim, quem neste momento traçou um Sport Lisboa e Benfica com este tipo de gestão adaptou-se aos parasitas (mesmo que se opine que o faça por simpatia com eles) por forma a adaptar o clube ao que aqui está e ao que aí vem. Para isso, Rui Vitória é o homem certo - pela sua inteligência, postura, visão e capacidade de gestão pessoal - e, por consequência, também o é o mercador Luís Filipe Vieira.

 

Da mesma forma que o Sport Lisboa e Benfica teria ficado pelo caminho se a ideologia pura de Cosme Damião (um dos originais Benfiquistas) tivesse vencido a adaptativa de Ribeiro dos Reis, também o Benfica ideológico que nos deixa saudades lá atrás seria um farol apagado sem esta mudança no mundo material.

 

Afinal, o "Espírito" do Glorioso (esse sempre puro) necessita de um "Corpo" forte para residir e continuar a Iluminar-nos à transcendência que todos procuramos, em cada jogo, nos relvados pelo mundo fora onde saltitam as papoilas berrantes que nos apaixonam profundamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 13:52


Um espectáculo!

por Admirador do Isaías, em 21.08.17

Pouco tempo esta semana para escrever aqui acerca da jornada, mas não quero deixar passar a oportunidade de congratular a equipa do Benfica por um verdadeiro e cheio show de bola no Sábado frente ao Belenenses.

 

 

TODA a equipa esteve incrível. Jonas, Pizzi, Filipe Augusto (nem se sentiu a falta de Fejsa), Salvio, Cervi (sempre um descanso este trabalhador incansável), Seferovic, Jardel (a cada jogo que passa, cada vez mais o jogador do Tri), Raúl (é sempre a partir com ele, não há bola perdida), Bruno Varela (cada vez mais seguro no seu lugar). Ainda deu para ver Rui Vitória lançar Martin Chrien, que demonstrou bons detalhes. Um verdadeiro espectáculo!

 

Agora, foco total no Rio Ave, deslocação sempre difícil para defrontar um dos poucos clubes em Portugal que têm realizado um esforço de base para crescer com sustentação no futebol Português.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 15:52


Medicina alternativa: Seferovix

por Admirador do Isaías, em 15.08.17

Seferovix:
em cápsulas ou gel, eficaz para as cãibras de esforço e as lesões frequentes.
Uma só aplicação é suficiente para curar uma equipa inteira.

 

Ironia à parte, tenho de dizer que fiquei desiludido com o público de Chaves. É que uma coisa, salutar, é apoiar a equipa da sua terra com convicção. Outra é assobiar o adversário. Sendo, na ocasião, o seu adversário o Benfica, que nunca desrespeitou o Chaves, é uma atitude incompreensível, por um lado, e bacoca por outro. De tal forma que acabou com a justiça devida.

 

Foi um bom jogo táctico, mas no qual os desequilibradores do Benfica, devido à massa de jogadores da equipa de Rui Castro (estranha opção para um treinador que no ano passado tinha o Rio Ave a trocar a bola com futebol positivo) não se conseguiram evidenciar. Havia sempre mais uma perna no caminho do golo ou do derradeiro passe. Ou um poste, como no remate de Jonas.

 

As mudanças no Chaves, colocando-o ainda mais defensivo, acabaram por atabalhoar a organização e o Benfica, que entretanto coloca Raúl e Rafa, começa a criar cada vez mais perigo, com uma pressão crescente. Cantos atrás de cantos, passes em profundidade, passes laterais à procura do cruzamento.

 

Foi nessa fase, em que os jogadores do Chaves já faziam um anti-jogo que não conheci no Rio Ave do ano passado, que Pizzi coloca a bola na profundidade lateral, Rafa, fresquinho, alcança-a para um cruzamento rasteiro perto da linha e Seferovic inventa um toque quase de calcanhar, para fazer uma "rabeta" ao guarda-redes e batê-lo, por fim.

 

Estava dada a vitória a quem a mereceu, a quem trabalhou e soube ser prático quando a magia não tinha espaço. O Chaves, equipa que têm condições para crescer, deve evitar os erros de outros e focar-se no apoio próprio e não a gerar inimizades onde elas não têm lugar... a não ser que agora Chaves seja um novo baluarte da visão Norte-Sul com mais de 30 anos, instaurada por Pinto da Costa? Acho que não é, mas fica o alerta. Para crescer há que ser Grande à partida e este tipo de comportamentos são pequenos.

 

PS: Jardel a ganhar forma...

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:25


Cumprida a primeira etapa de ciclo difícil

por Admirador do Isaías, em 10.08.17

Sem ter sido uma entrada tão intensa como na Supertaça (também porque o adversário não deixou), o Benfica mostrou os seus pergaminhos de Tetra-Campeão. Foi uma primeira parte em que, após ter marcado o inaugural por Seferovic (mas 3/4 de golo é do Jonas) e o 2-0 por Jonas, que aproveitou a oferta do central contrário para mostrar arte na concretização, podia perfeitamente ter se encontrado a golear a equipa Bracarense. Contudo, quem não marca arrisca-se a sofrer e o golo do Braga perto do intervalo (desconcentração e lentidão inaceitáveis de Jardel, atenuadas pela falta de ritmo nesta fase, e uma mancha pouco sólida de Varela - atira-te com o torso e os braços à bola, não com os pés, miúdo!) podia ter relançado o jogo. Um penalty que ficou por assinalar sobre Jardel mesmo ao cair do pano podia ter dado essa tranquilidade bem mais cedo. Aqui o video-árbitro não se manifestou.

 

 

Só que o Benfica nunca perdeu o seu foco. Entrou na segunda parte com a mesma determinação ofensiva que lhe fizera chegar ao 2-0 antes. Num lance de Cervi (que é um CRAQUE, um descanso para qualquer treinador, tão bem que ataca e defende, sem nunca desistir de um lance), Salvio empurrou e recolocou a vantagem de dois golos.

 

Surge depois o lance da polémica do lado do Braga. Seferovic parece, a olho nu, estar a colocar em jogo Ricardo Horta. À primeira, pareceu-me, também, que não estava fora-de-jogo. Precisei de, à vontade, dezenas de repetições para pausar no ângulo em que se vê Seferovic e Horta ao mesmo tempo no plano. Aí, nota-se que está, de facto, ligeiramente adiantado (mais ou menos tanto como o Hassan no golo bem anulado anterior). Honestamente, não sei se foi capacidade do fiscal de linha ou um golpe de vista que correu bem. A verdade é que o video-árbitro concordou com a decisão, por ter tido a oportunidade que eu tive: a de rever o lance de vários ângulos, várias vezes. Bem decidido, afinal, após as dúvidas iniciais.

slb - scb - offside.PNG

 

O Benfica venceu bem, podia ter dilatado o marcador e acabou a controlar o adversário e a gerir o esforço (já pensando em Chaves). Cumprida a primeira etapa de um ciclo difícil.

 

NOTA: Não posso deixar de comentar aquela aziada conferência de imprensa do Abel, em que o seu lagartismo calimeriano veio todo à tona. Até posso aceitar que lhe tenham dito ou que ele tenha visto o lance polémico do fora-de-jogo de forma diferente. É um lance dos mais difíceis de analisar, particularmente porque o fiscal de linha está do lado do atacante. O que não posso deixar passar é aquela conversa dos orçamentos. Rui Vitória respondeu-lhe bem, referindo o Feirense que terminou próximo do Braga com um orçamento muito inferior e os anos em que teve de trabalhar com saldo negativo. Só que basta voltar a 2009/10 e perguntar qual a diferença de orçamento entre o Braga, que lutou até ao fim pelo título, e o Sporting ou o Porto dessa época. Mais a mais, aquele ressabiamento típico de neo-lagarto, a deixar, em ar de gozo, o desejo que o Benfica se dê mal na Champions, "porque lá é pequenino" (era isso que implicitava) demonstra bem o clube de onde vieste. Vai lá contabilizar, ó Abel, o número de meias-finais e finais das várias competições Europeias em que o Benfica participou. Vai lá ver quantas dessas aconteceram deixando pelo caminho equipas de orçamento muito superior? Eu já tinha escrito sobre o SC Braga aqui no blog e a sua intenção legítima de querer ser um dos grandes. Contudo, este é o tipo de caminho que os afastará de tal intento, por pretender chegar a grande sem antes se transcender. Olha, Abel, o Benfica na sua história, na fase de ascensão, com orçamento zero, sacou campeonatos ao Sporting que já pagava a jogadores.

Ficarão aqui na memória, estas tuas reflexões, ó Abel.

 


 

Actualização 10/AGO/2017, 11:50

Entretanto já me chegou que um site/blog afecto ao Sporting quer demonstrar e provar com a imagem abaixo que o golo do Braga não é obtido em fora-de-jogo:

Ridículo. Então e que tal, já que se deram ao trabalho de pôr as linhas, alinhá-las com o rabo do Seferovic, a sua parte do corpo mais atrasada que conta para efeitos de fora de jogo, ou com a cabeça/ombro do Horta, que é a mais adiantada que conta? Isso é que era, mas aí já não havia "prova".

 

Ri-dí-cu-los.


Continuo a dizer que este lance é muito difícil e que se fosse validado o golo não me chocava absolutamente nada. Já o penalty sobre o Jardel... é claro para todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 07:56


Atenção, Boavista

por Admirador do Isaías, em 20.05.17

"Olés" com tanto ainda por jogar, tendo terminado a época em nono lugar, estando circunstancialmente a vencer diante do Benfica (já Tetra-Campeão), é um gesto que traz um estigma que certamente o Boavista não quererá puxar a si. Fica à vossa atenção.

 

Equipa do Benfica descoordenada, o que seria de esperar dadas as alterações extremas e compreensíveis, mas ainda assim combativa e aguerrida que baste para repor o seu orgulho.

 

Se calhar, se não tivesse sido o desrespeito, teria ganho o Boavista neste jogo, que era disputado a feijões e se tornou disputado a dignidade.

 

 

NOTA 1: Parabéns Pedro Pereira, Kalaica (grande golo!), Hermes e, claro, Paulo Lopes.

NOTA 2: Força Benfica no Jamor!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 22:27


A redenção de um TETRA

por Admirador do Isaías, em 14.05.17

Tais foram as lágrimas que ontem brotaram nos meus olhos, pela emoção da vitória sobre o Vitória de Guimarães, do futebol avassalador, da História, sim, mas sobretudo pelo entendimento profundo do que realmente foi alcançado. Nestes momentos, o Benfica dá-nos a oportunidade, a cada um de nós, de nos erguermos acima do lodo inerente à nossa existência. Os problemas mundanos extinguem-se, as preocupações tornam-se supérfluas, ocorre uma "pequena morte" que nos deixa saborear o êxtase da transcendência.

 

 

Só que o Benfica não venceu apenas, fez mais que isso. Abrasou uma vez mais, com a Luz intensa do seu íntimo sol, todos os vampiros conscientes e inconscientes, que desesperam por tapar a contínua manifestação do Fogo Sagrado, para subsistirem. Desligados da vida, eles invejam-nos por o Benfica nos ter escolhido, por nos imbuir com estas chamas que, ao contrário do que se diz, não criam um Inferno da Luz, mas sim que queimam um Inferno (o da mundana existência) com a Luz.

 

Este é, para mim, também, um momento de redenção. A coragem de um homem é mais facilmente vista pela forma como aceita os seus erros e assume e admira os seus melhores. Sofri de cegueira. Não reconheci Rui Vitória nem quando o vi, nem quando começou perdendo no nosso clube. Não tive a clarividência de perceber e só o milagre da conquista que ainda foi a tempo de conseguir na época passada me mostrou. Ainda assim, apesar de ter mudado o meu discurso aqui no blog, ainda me faltava assumir o erro.

A diferença individual entre Jorge Jesus e Rui Vitória, bem como o efeito que cada um tem nos que os rodeiam, é abissal. Fomos levados pela tentação da boçalidade nos momentos de vitória. Confundimos exigência com prepotência. A isto tudo, Rui Vitória reagiu com coerência, consistência e tranquilidade. Devolveu àqueles que seguem o Benfica um sentimento tão mais próximo da originalidade do próprio clube, tão genuíno, que se tinha perdido pelas eras mercantis, onde deixámos em lápides alguns dos últimos verdadeiros idealistas.

 

Só que o Benfica não existe fora do seu contexto. Se a era é mercantil, então o Benfica adapta-se. Se o nosso Símbolo é uma estaca cravada na escura Roma, qual um farol (por isso nos situamos na Luz), então si fueris Romae, Romano vivito more (em Roma faz como os Romanos). Se a era é mercantil, então quem melhor que um mercador astuto para liderar o clube e empresa? Luís Filipe Vieira, a quem reconheço variados defeitos que foi revelando ao longo destes 15 anos, tem o mérito de perceber "como ser Romano" antes dos outros. Deu ao Benfica as ferramentas próprias para se afirmar de novo neste novo mundo, tão distante dos tempos da fundação, como outros antes dele o fizeram. Adaptou o clube aos novos tempos. Mesmo que o tenha feito partindo de motivações egoístas, tornou-se num homem cujo Destino se revelou muito maior do que ele próprio.

 

«O mundo é para quem nasce para o conquistar
E não para quem sonha que pode conquistá-lo, ainda que tenha razão.»
- in Tabacaria, Álvaro de Campos (Fernando Pessoa)

 

Vieira encontrou, nestes dois anos, em Rui Vitória, o contraponto fundador, o idealista à imagem de figuras de proa do nosso clube no início e meio do século XX. O homem que soube acender um outro tipo de lume em nós todos, através da comunicação calma e respeitosa, mesmo nos momentos em que teve de se exaltar perante as circunstâncias. A fortuna que o acompanha, acompanha-nos agora, porque Rui Vitória fundiu-se tão naturalmente com o Benfica que, agora, parece que nasceram juntos. E não tenho quaisquer dúvidas que a sua Sorte, tão aliada às suas outras competências nos momentos mais cruciais, tem sido a força da sua "raça ardente e viva". Peço perdão, Rui Vitória. Grato pela alegria e inspiração, que vão bem além das vitórias conquistadas.

 

E agora, celebre-se mais um pouco. Somos TETRA, porra!

 

Daqui a duas semanas, já há mais um troféu para conquistar - sempre com o máximo respeito pelos adversários (humanos como nós), sem tomar absolutamente nada como garantido, com total humildade e uma ardente vontade de saborear de novo a transcendência.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 20:50


O Fogo de que é feita a Vida

por Admirador do Isaías, em 08.05.17

Já muitos compararam os "vai-vens" de um jogo de futebol com os altos e baixos do trajecto de uma vida humana. Compreendo e aceito a metáfora, mas, pessoalmente, considero que tal paralelismo deve ir mais além. Não são apenas as nossas vidas pequenas (se comparadas com o todo avassalador à nossa volta), que estão espelhadas naquele rectângulo de relva.

 

Há umas semanas tinha feito referência à vontade, trabalho e esforço que o Sport Lisboa e Benfica teria de aplicar para ultrapassar o lodo em que se vê inserido, a toda a sua volta, utilizando uma parábola clássica. Tal lodo nunca desaparecerá, por ser natureza da nossa existência, mas neste ciclo temporal que é um jogo, que é um campeonato, que é esta simulação de uma era inteira, demonstra-se quem resiste, quem persiste, quem se transcende.

 

Ontem, assistimos a um embate de duas grandes equipas. De um lado, um Rio Ave em crescente afirmação, cada vez mais com um projecto sustentado desde a formação e com valências e competências que não são recentes. Do outro, um Benfica à beira de um sonho, de ombros postos à roda da sua carroça, atolada na lama composta por todos os que odeiam o Fogo da Vida.

 

E foi isso mesmo que se passou: uma luta persistente, sem descanso, ciente da humildade de que se fazem os Campeões, sem pejo de defender cada pedaço de relva como se fosse sempre aquele lance o decisivo. Sofremos, sim, mas porque do outro lado esteve uma enorme equipa, que quis ganhar, que nunca cedeu às tentações do anti-jogo. Estivemos à altura, porque fomos sempre superiores à tentação do nervosismo próprio, associado ao movimento dos ponteiros do relógio.

 

No momento certo, no aproveitamento da descompensação contrária num contra-ataque perfeito, Jonas descobriu o espaço de forma mágica, Sálvio, fresquinho, correu com o sonho de milhões nos pés e, perante os gritos de todos nós que ele terá ouvido na alma ("Passa a bola, Sálvio! Passa a bola, Sálvio!"), levantou a cabeça, colocou a bola redondinha nos pés de Raúl para que ele nos elevasse a todos à suprema alegria do golo.

 

A nossa luta de então não terminou aí, da mesma forma que a nossa luta por este Tetra continuará, pois nada estava ontem, nem está ainda hoje, ganho. Tivemos de saber suportar depois o orgulho ferido de um conjunto de jogadores que querem muito ser como nós, partilhar da nossa chama. Fazem falta ao futebol Português mais equipas como este Rio Ave, que querem jogar o jogo e sabem fazê-lo.

 

Já perto do fim, contámos ainda com a intervenção do nosso magnífico Manuel Bento, que primeiro defendeu um remate para o poste e depois desviou a recarga por cima da barra. Não o viram? Revejam bem a repetição, com toda a atenção, e lá o verão, com o seu farto bigode e os seus despenteados caracóis ao vento, defendendo a baliza do seu Benfica contra o mundo.

 

 

Nada está ainda ganho. Estamos perto, sim, mas nunca como no momento mais próximo da vitória é necessaria a concentração.

 

«O jogo mais difícil de ganhar, é o jogo ganho», citando Emanuel Lasker, o grande jogador de xadrez.

 

Vençam por vós, vençam por nós, vençam pelo Fogo de que é feita a Vida!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 07:57


Com o Fogo Sagrado, está o Quarto Anel

por Admirador do Isaías, em 01.05.17

Tivemos um jogo de grande sofrimento diante de um Estoril muito bem organizado e com enorme capacidade de pressão em todo o terreno. Alguém esperava algo diferente?

 

Nem seria desejável.

 

 

Não escreverei sobre futebol, tácticas ou jogadores. Escreverei sim sobre o que nos habituámos a chamar de "Mística", pois será a ela que teremos de apelar dia após dia.


A História do Benfica fez-se de vencer o impossível, que afinal era superável. Fez-se da dignidade de vencer em campo, mostrando-lhes todo o respeito, aqueles que quiseram acabar connosco inúmeras vezes. Fez-se de superar a traição, o abandono, o desdém, sempre, sempre com a vitória honrada e transcendente.

 

Foi o Fogo Sagrado, inspirando homens como tu e eu, que fez a nossa História, que nos transcendeu.

 

Este ano não é nem será diferente: no pé do Lindelöf, no pé do Jonas, na cabeça de Lisandro. Nos pés e cabeças e esforço de tantos remates certeiros que já alcançámos e dos tantos que ainda iremos conseguir.

 

Enquanto nos focarmos apenas e só em nós mesmos, enquanto procurarmos a nossa transcendência através da vitória, sejam quais forem os obstáculos no caminho, com o Fogo Sagrado, está o Quarto Anel; recheado de ilustres, que virá afinar a pontaria, fortalecer os músculos, inspirar a alma dos nossos bravos representantes em campo.

 

Sem rancores. Sem medo. Sem dúvidas.

Honrai agora os ases que nos honraram o passado!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 20:24




Admirador do Isaías

foto do autor


O verdadeiro Isaías!


Petição


Isaías celebra o TRI!


Rui Vitória


Campeões Eternos


Cosme Damião


Fehér, eterno 29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog







subscrever feeds