Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Isaías no Benfica!


Primeira Liga 2017/18



RedMist dixit

por Admirador do Isaías, em 02.08.16

Apanhei, no Ontem vi-te no Estádio da Luz, um texto notável de alguém que assina como RedMist. Merece o destaque.

 



1. Não tenho quaisquer dúvidas de que, à luz do Benfica do século XXI, o termo “pragmático” será seguramente o rótulo mais lisonjeiro com que a actual corrente “encarnada” brindará os vulgos “abutres”, “garotões” ou “vale azevedistas”. Algo que, à luz das respectivas práticas e valores defendidos, orgulha-me particularmente.

2. A volatilidade dos adeptos encontra-se, actualmente, desfocada do seu verdadeiro centro e propósito: ao sabor da bola que entra ou sai, de aquisições ou renovações de produtos comerciais, de uma cegueira e castração seguidistas que redundam num benfiquismo artificial, corporativo, comodista, bacoco: em suma, morto e enterrado. E todas as pré-épocas e títulos do mundo não alterarão esta realidade.

3. O Benfica: de liberdade, espírito crítico, discussão, compromisso, sentimento… já não lá está. Ficou gravemente ferido com a destruição do antigo (e verdadeiro) Estádio da Luz, tendo entretanto perecido a sucessivas estocadas perpetradas sempre pelos mesmos: os seus. Seja na forma de uma direcção que as efectiva, seja na forma de adeptos que não só o permitem, mas inclusive aplaudem-nas.

4. Porque o mal sempre floresceu perante a fraqueza ou apatia do bem. Porque, se não és parte da solução, és parte do problema.

5. Claro que existirão sempre por aí umas quantas ovelhas tresmalhadas. A teimar pensar pela sua própria cabeça. A desconstruir práticas e propaganda. A repor a verdade acerca da verdadeira essência do benfiquismo: porque, essas sim, não têm memória fraca, conhecedoras que são do Benfica em toda a sua gloriosa história (e não somente do seu período mais negro, com o qual os mesmos habilidosos de sempre procuram amedrontar os sócios, única e exclusivamente tendo em vista perpetuarem-se no poder).

6. Gente que teima em recordar e suspirar por tempos cada vez mais idos, cada vez mais apagados da memória e da alma colectiva. Em suma: a pregar aos peixes.

7. Como João Santos, para quem, a ideia de destruir o Estádio da Luz, seria o equivalente a destruir o Partenon de Atenas, o Coliseu de Roma ou as Pirâmides do Egipto. De que nos valeu o testemunho de um ex-presidente cujo currículo conta, entre outros feitos, com 2 finais na Taça dos Campeões Europeus (a verdadeira competição europeia do clube) e um combate incessante e notável à podridão que já então assolava o futebol nacional?

8. De nada. Quem de direito sabia exactamente ao que vinha. E nem sequer foi necessário um passado relevante de benfiquismo, um carisma absorvente ou uma argumentação distinta: bastou dinheiro, as promessas estafadas de sempre, amedrontar os adeptos com o discurso do “ou eu ou o caos” e a dose certa de falta de vergonha que, por norma, os caracteriza.

9. Independentemente das beneficiações que Wembley ou Maracanã mereceram, era agora imperativo nacional destruir o maior património desportivo e sentimental de parte significativa de uma população e país: pertença de um clube, note-se a contradição, supostamente falido e à beira do fim. Empurrou-se tal desígnio pela garganta abaixo até o barro colar à parede e o lendário Estádio da Luz, edificado pelas mãos dos seus e integralmente pago aquando da sua inauguração, desapareceu para todo o sempre.

10. Era então tempo de dar lugar ao crédito, ao endividamento galopante, de avançar desalmadamente (entenda-se, em força e sem alma) para a primeira de muitas obras de cimento e betão: e sem a qual, não tenho dúvidas, LFV nunca sequer teria considerado candidatar-se ao cargo. Exemplo prático da aplicação do princípio do lucro pessoal. Da teia de relações alternativas. Do conluio interpares com vista a eliminar as alternativas que verdadeiramente deveriam interessar, enquanto símbolo de vitalidade e de defesa dos superiores interesses do clube.

11. Quando os padrões tidos para concorrer e desempenhar um cargo desta natureza e dimensão atingem tal grau de perversidade; quando os “notáveis” (quais “D. Sebastiões”), ao invés de combatê-la, integram-na; quando uma instituição se transforma numa massa seguidista que segue acriticamente ao som do medo ou da “promessa da semana”… deixo à consideração de cada um o verdadeiro grau de grandeza e de futuro dessa mesma instituição.

12. Uns verão nessa realidade um sinal inequívoco: não de apoio a um qualquer boneco da praça, mas de estabilidade, coesão, força – enquanto sinal mais óbvio da mais significativa das vitórias após tão conturbado período. Pessoalmente, apenas vislumbro estagnação, favorecimentos mútuos, desonestidade intelectual – toda uma mixórdia de conjugações que constituem prova cabal do inexorável definhamento dos mais elementares princípios que sempre nortearam o clube e os seus.

13. Foi assim que o Benfica entrou no século XXI. Foi desta forma que o actual paradigma teve o seu início: da ideia habilidosa de progresso à sua crescente e palpável desumanização. Quantidades intermináveis de tijolo, cimento e betão construídos sobre o cemitério de princípios e valores no qual outrora assentaram os alicerces do que verdadeiramente conta: a essência da alma benfiquisma.

14. Aqui e ali, ainda vou acompanhando o Benfica. Satisfeito por saber que ainda vai aportando alegria a tantos dela necessitados. Contudo, acabo por fazê-lo invariavelmente com indisfarçável desencanto: como o da óptica de um progenitor que viu um dos seus transformar-se em algo que estaria longe das suas intenções iniciais, não lhe suscitando particular orgulho. De quem sabe que, entre o que foi e o aquilo em que se tornou, muito de bom foi perdido.

15. Ciente que estou de que somente um significativo (e inevitável) trambolhão o fará acertar o passo. Uma válida aprendizagem somente passível de ser adquirida na adversidade: mãe do conhecimento da vida. Nos presentes termos, quiçá passível de ser administrada por terceiros, por aqueles que lhe querem pior – tal a sobranceria, cegueira e conspurcação que assola todos quantos dele deveriam cuidar.

16. Ou talvez seja somente necessário dar tempo ao tempo, aplicando-lhe a mesma lógica de leis como a da gravidade. Onde tudo o que sobe, tem de descer. De que é exemplo um passivo gigantesco, histórico e irresponsável. De que é exemplo a curiosidade factual em como, com vista a alcançar os mesmos saldos maquilhados e tangencialmente positivos de sempre, vai sendo necessário, a cada ano que passa, cada vez mais, mais, mais… Mesmo contando com toda a parafernália de acordos, transferências e lucros tão propagandeados.

17. Mais, mais, mais… Como aquele que, não sendo hábil nadador, vai dando aos braços o melhor que pode e sabe… mas que, invariavelmente, não sai praticamente do mesmo sítio. O tempo vai passando. As suas reservas vão diminuindo. Sem o devido auxílio, irá invariavelmente afundar-se.

18. Ano após ano: oportunidades irremediavelmente perdidas. Essas, já não voltam mais. E quando o filão se esgotar? O que restará para proteger? Quem ficará para apanhar os cacos e fazer deles o que seja? Que será de todos aqueles que acreditaram? Que depositaram as respectivas carreiras, o destino das famílias, o seu dinheiro suado e a boa-fé inerente a um coração que se abriu à crença na decência humana?

19. Um dia, muitos compreenderão, em toda a sua extensão, a distância que separa o genuíno sacrifício pessoal do mais puro egoísmo. Do bacoco culto de personalidade. Da lucrativa desonestidade intelectual. Da irresponsável e inenarrável política “agregadora”. Do atestado estatutário de ignorância passado àqueles que, ano após ano, os louvam.

20. Até lá, venha mais um canal propagandístico directivo: desta feita, na forma de rádio. Venham mais jogadores e transacções milionárias. Mais betão e cimento onde houver pinga de solo virgem. Mais acordos com nações desrespeitadoras dos mais elementares direitos humanos. Mais bajuladores. Mais vendidos. Mais robôs. Mais copinhos de leite. Mais banha da cobra. Mais areia para os olhos. Mais, mais, mais… que é disso que este povo gosta.

21. Que enquanto a chibata vai e vem, folgam as costas. Pelo menos, até ao dia em que a factura chegue – não a que é para ir sendo gerida, mas a que terá irremediavelmente de ser paga (assim o cinto aperte verdadeiramente e esta bandalheira complacente cesse de uma vez por todas). E tudo aquilo em que se empanturraram não sirva senão para lhes provocar uma indigestão. Não será como a que teve início na segunda metade dos anos 90. Será pior: muito pior. E a troco de quê verdadeiramente?

22. O Benfica está a perder: não para o FCP ou para o SCP, mas contra si mesmo. Está a perder para o egoísmo pessoal. Para o culto da personalidade. Para a mediocridade: por deixar-se manietar por tão pouco e, assim, recusar aspirar ao melhor de si mesmo. O Benfica está a perder… e por muitos. Resta saber se ainda tem o que é preciso para dar a volta ao resultado.

RedMist

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 09:10


Em deferência à Defesa do Benfica

por Admirador do Isaías, em 04.07.16

Em tempos de férias futebolísticas, em que pouco se ganha em especular acerca do plantel antes sequer de haver bola a rolar na pré-época, venho aqui fazer um apanhado de posts recentes no fundamental blog Em Defesa do Benfica, de autoria de Alberto Miguéns.

 

Para os mais distraídos, este blog é um farol do Benfiquismo que pode parecer estranho aos mais novos, (mal) habituados a uma era de comércio demasiado fácil em que tudo se vende e compra, até a ideologia e a convicção. Estes recentes exemplos são, a meu ver, uma excelente oportunidade de revisitar o espírito da "águia gloriosa" que fez o Sport Lisboa e Benfica. Primeiro que empresa, marca ou valor comercial, este é o clube Benfica, uma associação de valores bem para além do desporto, mas desportista em tudo. O Alberto, a quem aproveito para "tirar o chapéu" (que não uso), é um resistente defensor desse espírito. Que o seja eternamente!

 

Este emblema é ilegal

 

Coerência Serradiana

 

O Benfica não precisa de ser o que não é

 

Posto isto, Benfiquista, larga "A Bola", o "Record" ou "O Jogo" que nada te acrescentam e delicia-te neste blog, se é que ainda te é desconhecido. Acede a todas as referências, lê todos os documentos apresentados e nunca tomes a palavra do Alberto como verdadeira só porque sim: ele apresenta sempre as razões por detrás das suas afirmações e quando não, questiona-o e ele responde-te, tira-te as dúvidas. Depois de leres estes, procura mais, pesquisa o blog, segue as referências e etiquetas. Não te irás desiludir.

 

Ah! Nada como uma bela dose de Benfiquismo durante as férias, um banho de Luz por entre estas trevas de uma Humanidade cada vez menos brilhante!

 

Actualização 04/Julho, 20:12h

Um leitor deste blog fez-me saber de uma iniciativa, uma petição, para colocar Alberto Miguéns como responsável pelo Museu Cosme Damião. Nada mais justo, acertado e coerente com o Benfiquismo!

Aqui fica, para todos os Benfiquistas:

Considero uma excelente iniciativa e devemos todos, como Benfiquistas, dar uma resposta à altura. Pode até nem mover a direcção do clube, que poderão manter-se cegos a tal desígnio, mas pelo menos que tornemos esta iniciativa que partiu de um só, a iniciativa de todos nós, à Benfica!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:49


Enfurecido e desiludido

por Admirador do Isaías, em 16.12.15

Sim, é possível sentir as duas emoções em simultâneo. Vou ser muito curto hoje.
Em Setúbal, perante uma equipa que deu espaços, jogámos relativamente bem, aproveitando as oportunidades devido à confiança que se instalou nos jogadores.

Só que a confiança trabalha-se, através do envolvimento, da dinâmica.
Na Madeira, os jogadores pareciam postes de iluminação, ou árvores, tal a falta de reacção, de movimentação (salvo excepções como Renato ou Pizzi). Só que não é sobre os jogadores que recai a responsabilidade, isto porque para haver confiança nas movimentações e na ocupação de espaços com e sem bola, há que haver TRABALHO TÁCTICO! E esse, no Benfica, tem sido perto de zero... ou então a um nível muito abaixo do exigível. Por exemplo, o Jonas passou a vir e bem, ocupar a posição 10, descendo para vir buscar jogo, e quando recebia a bola, olhava e não tinha ninguém a mexer-se, a aparecer, a desmarcar-se! E depois é o Jonas que só dá no 4-4-2... o Jonas é um extraordinário 10, SE TIVER MOVIMENTAÇÕES À SUA VOLTA! De que vale ter Mitroglou como referência na área, um jogador de topo como ele, se NINGUÉM APARECE NO ESPAÇO?

Já nos excluímos do tri, não somente por um ou outro resultado, mas porque não apresentamos futebol ao nível necessário. No entanto, ter-se-á de resolver bem cedo esta época o problema que será manter a inabilidade de Rui Vitória como treinador para a próxima época...

Hoje não há mais nada. Enfurecido e desiludido.

Continuem a comer a propaganda e a dar poder ao "maior Benfiquista que já viveu" e "empresário do milénio"... é que mesmo que ele tenha de dispensar Rui Vitória, vai ser ele a escolher o próximo - e ele só acertou uma vez. É incapaz de delegar o futebol a quem sabe... talvez seja por ter os melhores interesses do Sport Lisboa e Benfica em consideração, ao invés dos seus interesses pessoais, certo?

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:22


Desresponsabilização? No Benfica, não.

por Admirador do Isaías, em 23.11.15

Esta é a palavra-chave do actual princípio de comunicação do Benfica. Nunca há responsabilidade própria dos "responsáveis" seja pelo que for. Há a circunstância, há o factor externo e incontrolável, mas nunca uma incompetência própria, um espírito crítico que só os verdadeiros campeões têm sempre presente e que fez do Sport Lisboa e Benfica um clube de dimensão mundial.

Após mais uma exibição vergonhosa da equipa de futebol diante do seu maior rival de Lisboa, o Sporting, ouvimos Rui Vitória dizer que não quer ser "comido", porque a sua equipa tinha sido prejudicada pela arbitragem. Até pode ter sido e, afirmo eu aqui que o foi. Só que antes de esses critérios díspares e esses lances de julgamento prejudicial terem verdadeiro impacto no resultado obtido, há que ter o seu trabalho feito. A equipa do Benfica apresentou-se um pouco melhor durante os primeiros 10 a 15 minutos, 20 talvez, mas depois afundou-se novamente naquele abismo exibicional, próprio de uma equipa sem noções tácticas, quer ofensivas, quer defensivas. Na realidade, termos chegado ao prolongamento, foi um milagre - e o Sporting, estando a jogar melhor, nem estava a jogar assim tanto (na Luz jogaram muito melhor, por exemplo).
Li a opinião de que são os jogadores que não servem - só aceito essa explicação parcialmente, pois apesar de o plantel precisar de melhoramento em algumas zonas, temos jogadores para jogar MUITO melhor. A realidade é que temos jogadores em campo, colocados sabe-se lá com que instruções, que ora não sabem o que fazer nos vários momentos de jogo, ora tomam demasiadas vezes decisões erradas. Isto, quer se goste quer não, é falta de qualidade de treino táctico. Para isso, precisa-se de um bom treinador, um treinador com ideias fortes e de futebol de clube grande. O jogador só pode ser responsabilizado mediante o papel que lhe foi entregue para desempenhar pelo treinador.

Só que Rui Vitória, estando a seguir o caminho definido pela comunicação do Benfica (que é presidencialista e não clubística), está a negar a sua própria incompetência tal como Vieira, pelo mesmo método, o fez várias vezes. Essa é uma postura perigosa para o treinador, porque este não tem a boia de "salvador do Benfica" que Vieira tem e de que se serve sempre para cobrir os seus próprios pecados e insuficiências. Ao seguir uma estratégia de "chuto para a frente" não só no campo mas também na comunicação, Rui Vitória pode estar a enterrar definitivamente o seu futuro - pois por vezes um treinador pode não estar preparado para um clube grande num determinado momento, mas vir a estar preparado mais à frente na sua carreira.
Vieira, já se sabe, é sempre defendido pela comunicação do clube como bem perto da perfeição. No entanto, quando se trata do que mais importa para qualquer dos aspectos do clube, que é o rendimento da equipa de futebol, Vieira é, talvez, o segundo presidente do Benfica mais incompetente (sendo Damásio o primeiro). É que foi Vale e Azevedo que descobriu Mourinho, por exemplo!
Reafirmo que o que Vieira fez de bom pelo Benfica, está feito. Os seus méritos estão esgotados e a sua contribuição concluída já faz tempo. Mais a mais, não fez mais que o seu dever enquanto Presidente desta instituição que já teve muito mais "salvadores" pouco recordados, do que Vieira tem campeonatos de futebol conquistados.

Quanto ao jogo, reafirmar a total ausência de combinações e movimentações é já cansativo. Deixo, por isso, o habitual video de resumo do jogo e a análise do Eu Visto de Vermelho e Branco.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 09:15


E se for essa a intenção? É proibido no Benfica?

por Admirador do Isaías, em 28.10.15

O “Record” noticia na edição desta quarta-feira que as críticas que o vice-presidente do clube Rui Gomes da Silva dirigiu à estrutura do Benfica caíram mal no seio do clube. De acordo com o jornal desportivo, fontes internas do clube acusam Gomes da Silva de ter “agenda própria” e “falta de solidariedade” para com a instituição.

O vice-presidente encarnado, comentador residente no programa de comentário desportivo da SIC Notícias “O Dia Seguinte”, teceu esta segunda-feira críticas fortes à estrutura do clube da Luz. No espaço de comentário, no rescaldo da derrota do Benfica diante o Sporting, na Luz (0-3), Gomes da Silva falou da “guerra aberta” entre a estrutura benfiquista e o antigo técnico Jorge Jesus, quando apontou um “aburguesamento da estrutura” como sendo o principal problema do Benfica.

Deixando Luís Filipe Vieira fora do lote de visados, por considerar que o presidente do clube demonstrou no caso do Apito Dourado “ser dado ao combate”, o comentador frisou que as suas críticas se focam na falta de reação do Benfica aos últimos ataques por parte do rival Sporting: “Não havendo resposta nem conflitualidade, a estrutura do Benfica está a dizer que podem fazer o que quiserem de nós”.


Uma preparação da candidatura à presidência do Benfica

As reações não se fizeram esperar. De acordo com as informações apuradas pelo “Record”, o presidente dos encarnados já se mostrou “desiludido” com as declarações do seu vice. Já Gomes da Silva terá rapidamente reconhecido que foi “longe de mais” no seu comentário de segunda-feira à noite, prometendo um esclarecimento na próxima edição do programa.

Ainda segundo o jornal desportivo, os responsáveis benfiquistas terão visto as críticas de Gomes da Silva como uma forma de “chegar aos adeptos” na preparação para a corrida à presidência do clube, que vai acontecer no próximo ano.


- http://expresso.sapo.pt/desporto/2015-10-28-Benfica.-Rui-Gomes-da-Silva-acusado-de-ter-agenda-propria

 

E se o objectivo de Rui Gomes da Silva for, de facto, candidatar-se e apresentar-se como alternativa? Estamos no FC Porto, é? Parece que sim: os opositores a Vieira foram todos afastados, ridicularizados ou, pior ainda, absorvidos com um lugar na estrutura ora do clube ora da SAD. Depois alteraram-se os estatutos para proteger Vieira de qualquer jovem que ele não tivesse visto. As Casas do Benfica aparecem como cogumelos, tendo 50 votos cada uma, sendo certo que votarão em quem as promove e protege, naturalmente. Quanto mais Casas Vieira lançar, mais votos terá.

 

Qual é, então, exactamente o problema que Vieira tem com a crítica entre os seus pares? Por a crítica ser pública? Mas o Benfica É público. Seja como empresa, seja como clube, o Benfica é de todos nós, é um símbolo. Há mais algum clube que tenha no seu espírito, na sua forma de existir, mais pluralidade que o Sport Lisboa e Benfica? Pluralidade na origem dos seus adeptos e nas suas opiniões, há algum que tenha mais? Basta dar uma vista de olhos pela blogosfera Benfiquista para nos apercebermos das mais diversas opiniões. Isto é a ALMA do Benfica a funcionar. Quanto mais Luís Filipe Vieira procurar ser um Pinto da Costa no cadeirão do Glorioso, mais anticorpos gerará entre os Benfiquistas verdadeiros. É que ter "salvo" e ajudado o clube tem mérito, mas está feito. Serviu o clube no que o clube precisou. Agora o clube precisa de outra coisa, claramente, e deve procurá-la. Não concorreu Vilarinho no seu lugar contra Vale e Azevedo para "salvar" o Benfica? Pois bem, o Benfica precisa agora de ser "salvo" outra vez, mas desta feita do "benfeitor" que não sabe quando o seu trabalho terminou.

 

Não sei se Rui Gomes da Silva seria uma boa alternativa a Vieira para aquilo que o momento do clube pede. Não sei se é o homem certo para reestruturar o futebol, por forma a pô-lo a funcionar com base na formação excelente que Vieira foi capaz de montar. Não sei se é ele que vai conseguir criar condições de conforto suficientes para que um treinador competente possa ter sucesso. Não sei se é ele o homem certo para escolher o treinador certo, sequer. Não sei, também, se é ele quem conseguirá manter no mesmo rumo a excelente aposta nas modalidades que o clube tem feito, renascendo o seu eclectismo. Não sei, ainda, se será a pessoa certa para continuar a rentabilizar a BTV e torná-la agora num instrumento de impecável comunicação do clube Sport Lisboa e Benfica, garantindo a independência do clube das "Olivedesportos" deste mundo. Não sei nada disto quanto a Rui Gomes da Silva ou quanto a qualquer outro candidato alternativo.

 

Sei, no entanto, que tem todo o direito de tentar convencer os Benfiquistas que é.

Tanto ele, como outros. Isso é que é o Sport Lisboa e Benfica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 14:21


Fim de linha

por Admirador do Isaías, em 26.10.15

Houve tolerância, houve tempo, houve espaço. Não foram respondidas com competência, nem tão pouco com vontade. A resposta foi um amorfismo, um 4-2-4 e pontapé para a frente quando não nos deixam sair a jogar como lhe parece bem no papel. Já o cérebro tinha dificuldade com isso, é certo, mas ao menos tinha algum tipo de estratégia para tentar tornear o problema. Rui Vitória perdeu hoje o crédito perante os adeptos do Sport Lisboa e Benfica porque demonstrou que nem sequer um plano A consegue implementar bem e competentemente, quanto mais ter um plano B. A equipa ora demonstra não ter estratégia (saber o que fazer à bola e que movimentos encetar perante o que lhe vai aparecendo) ou ter frequentemente demais a estratégia errada (pontapé para a frente).


Eu já tinha criticado Rui Vitória e já o tinha elogiado, em ambos os casos, meritoriamente. No entanto, aquilo que se viu ontem, naquele que era O JOGO e não apenas mais um derby, foi pior que a primeira parte do jogo com o Estoril ou que o jogo com o Arouca ou que grande parte do jogo com o Moreirense. Foi pior porque não houve sequer um plano para contrariar a única, repito, ÚNICA forma que Jorge Jesus sabe pôr as suas equipas a jogar - a questão é que o actual treinador do Sporting o faz COMPETENTEMENTE. Sofre-se um golo pela ausência de apoio defensivo no meio campo, provocando erros a sair a jogar! Sofre-se outro permitindo todo o tempo do mundo a um jogador para chegar primeiro a uma recarga, quando tinha de estar o lateral direito nas imediações, precisamente para cobrir a zona do guarda redes! Incompetência em situações BÁSICAS!


Quando a primeira palavra de Rui Vitória após o jogo não é "perdão", perde todo o crédito perante os Benfiquistas. Devia ter pedido perdão às dezenas de milhares de adeptos e sócios que pagaram bilhete para encher a Luz e aos milhões de adeptos e sócios em Portugal e pelo mundo fora que assistiram ao jogo pela BTV ou através do "canal Inácio" - todos eles amam o Benfica e reservaram as suas almas e corações para aqueles 90 minutos!


Não aceito que me falem na arbitragem (apesar de ser certo que não foi assinalado um penalty ainda com 0-0) quando a produção da equipa foi zero. Pontapé para a frente em disposição 4-2-4 com linhas, ainda por cima, bem afastadas, é igual a zero futebolisticamente. Se era esta a ideia de jogo, então porquê Mitroglou no banco? Se era para o pontapé para a frente, porque ter o melhor cabeceador e o jogador de maior robustez física no banco? Nem isso?

 

Não aceito que me falem em mau plantel porque temos jogadores para não sair goleados em casa com uma equipa que empatou com Paços de Ferreira e Boavista. A questão de fundo é o vazio estratégico e táctico, não a qualidade dos intervenientes que, podendo sempre ser bem melhorada, é mais que suficiente para muito, MUITO melhor.


A vitória em Madrid foi uma oportunidade de ouro que o treinador teve de conquistar o grupo, puxá-lo para si, para mais competentemente transmitir as suas ideias. Foi uma oportunidade falhada, vê-se, naquilo que foram os jogos na Turquia e, agora, no derby.


No entanto, a minha crítica a Rui Vitória não esquece as circunstâncias em que chegou ao clube. Não esquece a responsabilidade de Vieira. Tal como escrevi durante este verão quente, urge que surjam alternativas válidas a Vieira para as próximas eleições, dado que ele é incapaz de entregar a autonomia da pasta do futebol a quem realmente é competente e percebe da poda. Não consegue porque tem muito a ganhar com o futebol do Benfica. Valorizar o Seixal? Excelente ideia, mas só depois de se retirarem os interesses todos que de lá comem, incluindo ele próprio.
Mais que uma alternativa a Rui Vitória, que urge, há que encontrar uma alternativa a Vieira ou que o próprio Vieira encontre, para o futebol, uma alternativa a si mesmo (como quando José Veiga tomou conta da pasta e trouxe Trapattoni, para nos dar o primeiro título pós coveiro Damásio).


A História do Sport Lisboa e Benfica é feita de trabalho, competência e coração. Perder um Benfica-Sporting é sempre possível e acontece. Perder sem trabalho (ausência de estratégias para contrariar o adversário), competência (incapacidade para impor qualquer tipo de ideia activa na partida) e coração (o desequilíbrio emocional revelado pelos jogadores) é imperdoável e inadmissível. Não, não estou clamando "a quente", nem tão pouco precipitado. O melhor Rui Vitória demonstra ser pior que Camacho, Koeman, Fernando Santos, Quique Flores e que a pior versão de Jorge Jesus. O mérito de Madrid, que podia ter usado como alavanca para si mesmo no clube e perante os jogadores, esgotou-o ontem, mesmo que demore a época toda a sair, pois demonstrou ter sido um resultado ao acaso e não fruto de um trabalho competente.

Ainda assim, repito, ele não deve ser o bode espiatório de Vieira que, na minha opinião, sabotou deliberadamente o futebol do clube em prol do seu poder e dos seus negócios.

Inaceitável: Fim de linha, para um e para outro!

 

 

  Leia uma análise mais factual à partida, por Eu visto de Vermelho e Branco, aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:33


Não mordam o isco

por Admirador do Isaías, em 06.10.15

Bruno de Carvalho está bem ciente do que foi provocar com a sua mais recente postura (sobre a qual, confesso, só li, pois jamais perco tempo com programas televisivos de baixo nível). Parecido com quando proferiu que o Presidente do Benfica lhe tinha proposto um pacto e que afinal era só brincadeira, lembram-se? O objectivo aí foi cumprido, pois desviou as atenções do Sporting, naquele momento.

É o mesmo que pretende agora. Do ponto de vista dele e de, infelizmente, uma boa fatia de Sportinguistas, o Sporting roubou o treinador ao Benfica e causou, com isso, grande transtorno. Como Otávio disse "O Sporting mudou e está a incomodar". É esta a perspectiva deles. É esta a directiva interna.
Só que repare-se que estas intervenções - que surgem, sem dúvida alguma, como resposta ao exposto no Football Leaks - visam desviar atenções na direcção do Sport Lisboa e Benfica, ganhar tempo e puxar algum adepto do Sporting Clube de Portugal que tenha ficado abalado com qualquer coisa, de volta para o alinhamento com o Presidente (não com o clube, claro).

Quem segue este blog sabe o que eu penso acerca do Sporting. O meu pai foi um verdadeiro Leão, dos últimos a sério, daqueles que ainda viram os cinco violinos jogar. Uma ida à Luz em miúdo meteu-me o Benfica no corpo, mas pude compreender a extrema importância do Sporting não só para o crescimento do Benfica, através da rivalidade competitiva, mas também no panorama e História desportiva em Portugal.
Posto isto, quem já me leu por aqui, sabe que na opinião do meu falecido pai, o seu clube fora quase sempre refém de uma sensação de "destino roubado", nunca se libertando para poder competir de cabeça limpa e afirmar-se por si, primeiro, e depois, sim, perante o rival.

Como sabem também, quem me vai lendo, não tenho em muito boa conta Luís Filipe Vieira, apesar de lhe reconhecer (e de já os ter apresentado aqui também) méritos. No entanto, ele já cometeu esse "pecado" antes, durante a sua longa presidência: recordam-se de algum outro presidente do Benfica que recorrentemente tenha falado no Sporting ou no Porto, para desviar as atenções de si ou do Benfica? É frequente no Sporting, devido ao tal síndrome de "destino roubado" que referi. É frequente no Porto, devido à directiva guerrilheira de Pinto da Costa, aluno de Pedroto. No Benfica, salvo essa excepção, não era recorrente. Sim, pontualmente falava-se, no entanto o foco fora sempre estar à altura do peso da própria História, não do rival.

Posto isto, não mordam o isco. Institucionalmente, o Benfica já o mordeu, ao permitir que um seu funcionário (que jamais o deveria ser, pois não representa a grandeza do Sport Lisboa e Benfica) se tenha envolvido nestas altercações tasqueiras reles. O nosso clube mordeu-o e agora terá de vir falar oficialmente do Sporting e do seu Presidente, dando o seu aval à sensação psicológica dos Sportinguistas (que nada mais é que projecção!) de que os Benfiquistas só estão bem quando "falam mal" do Sporting.
No entanto, cabe-nos elevar a fasquia e afastar-nos dessas altercações. Bruno de Carvalho está a fazer o que pode para defender os seus interesses (que podem não ser os do Sporting, mas isso não me cabe comentar). Também já tivemos de torcer o nariz com algumas actuações do nosso Presidente.


Repito: não mordam o isco, pois o estado de guerra aberta só beneficia quem da guerra se alimenta há mais de 30 anos e que está numa posição frágil, querendo mostrar força e tranquilidade.

 

Salão Neurótico - Morder o Isco
Não mordam o Isco!

 

Actualização 8 de Outubro, 2015, 08:57h:


http://hugogil.pt/onde-estao-as-provas-dos-jantares/

 
Actualização 8 de Outubro, 2015, 13:33h:

 

http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2015/10/08/vitor-pereira-estava-a-par-das-prendas-do-benfica


O presidente do Conselho de Aritragem da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), Vítor Pereira, tinha conhecimento da existência das ofertas do Benfica aos árbitros, delegados e observadores da Liga.

A notícia é avançada esta quinta-feira pelo jornal O Jogo, que cita o ex-árbitro Pedro Henriques para sustentar a informação denunciada por Bruno de Carvalho, presidente do Sporting, no programa 'Prolongamento', da TVI24, na passada segunda-feira. "Vítor Pereira e José Gomes sempre souberam das ofertas de cortesia do Benfica. Quando criou a Eusébio Cup, o Benfica começou a oferecer caixas com uma moldura do Eusébio. Essas caixas contêm uma camisola, bilhetes de entrada no museu do Benfica, um livro sobre o Eusébio e uns vouchers de refeições, que, segundo me foi dito pelo José Gomes, nenhum árbitro utilizou, evitando assim outras interpretações", disse o antigo juiz ao diário.


O Jogo (olha quem) avança um dos objectivos desta jogada de Bruno de Carvalho. No entanto ainda há quem não se queira convencer que o Presidente do Sporting é, voluntária ou involuntariamente, um peão de gâmbito da turma de Pinto da Costa!


Actualização 9 de Outubro, 2015, 22:36h:

 

http://www.maisfutebol.iol.pt/luis-filipe-vieira/bruno-de-carvalho/vieira-avisa-vou-defender-bom-nome-do-benfica-nos-locais-proprios


«Confesso que tenho o desejo de ver os dirigentes do futebol português a contribuírem para um futebol saudável, competitivo, que atraia público aos estádios. A ambição de ver Liga, Federação e clubes trabalharem em conjunto», começou por dizer.

«Recuperar a credibilidade do Benfica durou anos, por isso não contem comigo para voltar atrás no tempo. Mas também sei que como presidente tenho obrigação de defender o bom nome do clube. Quero deixar a garantia de que podem ter a certeza que assim será, mas nos locais próprios. Ignorem o ruído, porque, ao contrário do que alguns pensam, o ruído não beneficia ninguém. Falemos de nós e preocupemo-nos apenas com o Benfica», afirmou Luís Filipe Vieira.


Intervenção curta, sóbria, indo ao encontro da abordagem que a situação pedia (e que eu defendi).

A mensagem de que munido de todos os detalhes, nos locais apropriados de uma civilização, o bom nome do instituição será reposto, era precisamente o que o caso necessitava.
Agora, para que a resolução seja perfeita, só falta que se remova Pedro Guerra do Sport Lisboa e Benfica.

 

Actualização 12 de Outubro, 2015, 13:07h:

 

http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2015/10/12/sporting-tenta-provocar-benfica-com-video-de-eusebio

 

A cerca de duas semanas do dérbi na 2ª Circular, no Estádio da Luz, o Sporting continua num registo de provocações ao rival Benfica através de publicações diárias no seu blog oficial com 'farpas' ao clube 'encarnado'.

A mais recente provocação ao Benfica foi publicada esta segunda-feira no blog 'Verdade Leonina' e teve Eusébio como protagonista. Com o título, "Eu entrei no balneário do Benfica e disse à malta: Olhem malta, eu vou jogar mas não há problema que não há golos" - Eusébio da Silva Ferreira", o blog oficial do Sporting recorda uma história a propósito de um Beira-Mar x Benfica de 1977 em que o 'Pantera Negra' defrontou pela primeira, e última vez, o seu clube do coração.

No vídeo publicado pelo blog oficial do Sporting pode ver-se um excerto da entrevista de Eusébio a Cecília Carmo e ouvir-se o Pantera Negra confessar que jogou contrariado contra o 'seu' Benfica.

"Já tinha avisado o treinador do Beira-Mar que não ia rematar à baliza. 15 minutos antes do jogo fui ao balneário do Benfica e avisei para que não se preocupassem, pois não ia marcar golos (...) Não rematei, não marquei faltas nem grandes penalidades... andava lá no campo só a passar a bola aos outros. E nesse ano o Beira-Mar ganhou ao Sporting e o Benfica foi campeão", afirmou Eusébio em 2012.

 

Vale tudo. Recomendei que os adeptos não mordessem o isco e eu não o farei. Deixo somente a nota: no campeonato que referem, o de 76/77, no qual pretendem insinuar que Eusébio ofereceu o título ao Benfica nesse jogo, o Sporting acabou 9 pontos atrás do Benfica (num campeonato que contava com 2 pontos por vitória, 1 por empate), tendo o Glorioso se sagrado campeão com quatro jornadas ainda por disputar...
Depois, se realmente quiserem factos sobre isso, aqui têm:

http://em-defesa-do-benfica.blogspot.pt/2015/10/eusebio-do-beira-mar-rematou-mais-que.html

 

Actualização 12 de Novembro, 2015, 14:50h:

http://desporto.sapo.pt/futebol/primeira_liga/artigo/2015/11/11/arbitros-confirmam-prendas-do-benfica-dentro-dos-limites-permitidos

Os árbitros já entregaram a sua resposta ao inquérito enviado pela Comissão de Inquéritos da Liga sobre a polémica em torno das prendas do Benfica, tendo confirmado a situação dentro dos limites autorizados pelos regulamentos.

 

De acordo com a TSF, que teve acesso ao mail de resposta, os juízes confirmaram que o Benfica e também outros clubes dão lembranças, mas que estas não infringem o teto financeiro estabelecido e são entregues no final do jogo, não influenciando o comportamento ou a prestação nos desafios.

 

A mesma resposta ao inquérito não esclarece em nenhum momento quando é que se registou a oferta de convites para jantares pelo Benfica e em que jogos é que as ofertas foram recebidas, pois tal se deve a uma prática comum.

 

Portanto, tal como pensei, o momento está próximo. Em breve o Sport Lisboa e Benfica terá na sua mão o documento que comprova a farsa desta acusação e pode, aí sim, agir juridicamente sobre quem o caluniou.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 09:32


É esta a diferença para o tal Super-Porto?

por Admirador do Isaías, em 21.09.15

O Benfica visitar o Dragão (antes Antas), ocasião tida como uma espécie de festival no calendário Portista, é sempre considerado um jogo muito complicado. Esta época, por tudo o que se passou em mais um verão quente à Portuguesa, a visita ganhava um interesse especial.
É que para além da questão do Maxi Pereira - que foi para mim, apenas e somente, como já relatei, o mais recente refém da guerrilha antiga - encontramos o Benfica de volta a um rumo que já nos parecia estranho, abandonado que tinha sido há tanto tempo: o da aposta efectiva, não só ocasional, na sua própria formação. Isto perante um Porto que, por mais uma época consecutiva, fez por ser apelidado de Super, gastando quantias consideráveis em transferências e salários no reforço do plantel.

Com uma pré-época desastrosa a vários níveis (cuja responsabillidade cai somente sobre os ombros de Luís Filipe Vieira e de quem o terá aconselhado), o início de época pareceu mostrar um novo treinador sem unhas para a guitarra Gloriosa. Mesmo assim perdeu a Supertaça com o Catedrático-Sporting apenas através de um "chouriço". A verdade é que a evolução nos processos, defensivos e ofensivos, tem sido notória. A verdadeira e útil pré-época tem sido feita em andamento competitivo, infelizmente - o que, repito, demonstra incompetência de quem a planeeou e aprovou, não de quem teve de se haver com ela.

Posto tudo isto, muitos esperavam que o tal Super-Porto esmagasse este "fraquinho" Benfica. Pois bem, não o fez e, tendo vencido a partida, deixou muitas perguntas por responder ao longo do resto da época. Desengane-se quem pensar que esta equipa do Porto rumará tranquila ao título, que até pode vir a conquistar, sim, mas não com o à-vontade desejado...
O nosso Sport Lisboa e Benfica, esse, entrou com personalidade, com vontade. Com um pouco de sorte - talvez as bruxarias de Fafe outra vez? - o Glorioso teria saído de lá com um resultado semelhante ao da época passada, tendo jogado bem melhor que nesse jogo. Só que o resultado final é o que conta e o Benfica não se fica com vitórias morais. Ficamos sim é com a clara sensação que, perante aquele que deveria ser o melhor plantel do campeonato, o Benfica lutou de igual para igual, remetendo grande parte do jogo ofensivo do adversário àquilo que já tinhamos acusado o Benfica de Vitória fazer: cruzamento à balda, procurando qualquer coisinha. O Benfica podia e devia até ter marcado e depois jogado contra dez (Maicon) a segunda parte... ou talvez mesmo nove (Maxi)...

Num ressalto azarado a meio campo, lá surgiu uma boa jogada que aproveitou o desequilíbrio defensivo do Benfica na ocasião para dar o golo da derrota. Já não havia muito tempo para reagir e a equipa sentiu demasiadamente o golo. As substituições não deram muito ao jogo, mas penso que a entrada de Talisca teve mais a ver com a fé num pontapé inspirado do que com outra coisa. Pizzi visou refrescar o exausto Guedes.

Posto isto, pergunta-se: é esta a diferença para o tal Super-Porto? Veremos na Luz, na segunda volta, como estarão as duas equipas. É que em termos de ideias de jogo e dos seus processos, vê-se evolução no Sport Lisboa e Benfica, mas uma enorme estagnação no Porto - joga quase o mesmo que na época anterior. Repito: não há cá vitórias morais, mas o facto é que Lopetegui ganhou um balão de oxigénio ainda sem mostrar ter capacidade táctica para pôr o melhor plantel do campeonato a ser demolidor, em contraste com Rui Vitória que, depois de todas as merecidas críticas de que foi alvo, mostra cada vez mais evolução, inteligência e atitude, mantendo fidelidade ao rumo para o qual foi contratado.
Vamos vendo jogo a jogo.

E Nélson Semedo é cada vez mais jogador... e será enorme!

Leia uma análise mais factual à partida, por Eu visto de Vermelho e Branco, aqui.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:54


O Complexo de Messias e a Codependência

por Admirador do Isaías, em 28.07.15

Vi o jogo frente à Fiorentina e, em diferido, o que opôs o Benfica aos New York Red Bulls. Foram dois jogos bem distintos, mas que revelaram já alguns aspectos positivos mediante situações novas. A Fiorentina, equipa "à Italiana" clássica, durinha e a tentar jogar sempre no erro. Ofensivamente fomos amordaçados, sim, mas defensivamente, com a excepção do Eliseu, foi um bom teste. Os New York Red Bulls, nem que seja pelo facto de se encontrarem com um ritmo elevado de jogo, que só se explica por estarem a meio da sua época, foi um bom teste ofensivo, onde falhamos defensivamente - mas nada de exageradamente grave. Luisão vai recuperar daquela desconcentração e voltar mais forte e o segundo golo é um belo remate que ele nem nos treinos acerta um em cinquenta. Falhámos muitos golos, é certo, mas aparecemos na zona de finalização e construímos jogadas de perigo. A equipa do Benfica está a ser reestruturada, para se limparem certos vícios anteriores. Não é algo novo na História do Benfica.

Está feita a nota. Agora vamos ao assunto que me faz escrever aqui hoje.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Complexo_de_messias
Complexo de messias é um estado psicológico no qual o indivíduo acredita ser ou estar destinado a se tornar o salvador de algum campo de atuação específico, grupo, evento, período de tempo ou até mesmo do mundo inteiro.
Afligidos pelo Complexo de Messias louvam sua própria glória ou alegam absoluta confiança em seus próprios destinos e capacidades e nos efeitos que terão sobre um grupo de pessoas ou aspecto da vida. Em alguns casos o complexo de messias pode estar associado à esquizofrenia onde a pessoa ouve vozes, tem alucinações e acredita que é Deus, espíritos, anjos, deuses ou outros que falam com ele o que, na visão da pessoa, confirmaria sua messianidade.
Nos casos mais graves, pessoas com Complexo de Messias podem se ver literalmente como Messias espirituais/religiosos com poderes transcendentes e destinados a salvar o mundo.

https://pt.wikipedia.org/wiki/Codepend%C3%AAncia
O codependente acredita que sua felicidade depende da pessoa que tenta ajudar, e assim se torna dependente dele emocionalmente, sendo excessivamente permissivo, tolerante e compreensivo com os abusos do outro, mesmo que este seja excessivamente controlador, perfeccionista e autoritário. É comum que o codependente coloque as necessidades do outro, acima de suas próprias. É comum que desenvolvam duplo vínculo.

Estou farto. Absolutamente exausto de encontrar inúmeros comentários em blogs, foruns e páginas de jornais online, de supostos Benfiquistas, nos quais se insurgem contra aqueles que, dando seguimento à essência de Ser Benfiquista, opinam de forma crítica em relação à actual direcção do clube. É certo que nem sempre tais opiniões estão providas de devido fundamento ou, mesmo quando estão, que o fundamento seja verificável. No entanto, há muitas mais opiniões que põem em causa aquilo que são já quase 15 anos de presidência de Luís Filipe Vieira (pois Vilarinho, assumido pelo próprio, nunca foi o presidente "executivo").
Sendo certo que os méritos existem, principalmente no que respeita à conclusão de infraestruturas, é também certo que os defeitos estiveram e continuam a lá estar, como aliás, com qualquer pessoa. O Benfica sempre foi o clube onde houve mais apaixonante debate e discussão intensa acerca do rumo das coisas e tal jamais se deve perder - tal como o respeito por aqueles que vêem as coisas de outra forma. São incontáveis as vezes que verifico chamar-se de "anti-Benfiquista" a alguém que expressa uma opinião crítica para com Luís Filipe Vieira ou o seu "regime". Tais comentadores julgam-se portanto numa espécie de FC Porto trajado a vermelho e branco, clube onde tudo é permitido à figura do presidente e onde toda e qualquer oposição é rapidamente arrumada com precisamente o mesmo método!

NÃO! O Sport Lisboa e Benfica não é o Futebol Clube do Porto - e isto deve estar presente na mente de todos os que se dizem Benfiquistas, pois muitos nem sequer sabem o que isso significa. Não é ir a época toda ao estádio ou gritar muito os golos e ir dançar com os amigos para o Marquês. O Benfiquismo é saber quando dizer que algo está a seguir o caminho errado e pegar nas ferramentas para erguer o clube.

É ser-se Cosme Damião e abdicar do seu próprio conforto para, perante a deslealdade, manter a bandeira bem erguida e dizer "não" ao caminho fácil mas sem legado. É ser-se também Ribeiro dos Reis e saber dizer "não" a Cosme Damião, para que o clube dê o próximo passo, tão necessário à época, para elevá-lo.
Serão os Benfiquistas que hoje insultam as vozes discordantes mais que o que estes dois foram? Querem esses insinuar hoje, com termos modernos empresariais, que um erro é afinal uma "medida estratégica"? Ser Benfiquista é saber dizer "sim" e bater palmas e dar mérito, mas ainda mais saber quando dizer "não" e criticar em prol do melhor para o clube. Quem se aperceber que, afinal, não sabe muito bem o que é isso de Ser Benfiquista, aprenda-o com os exemplos de quem REALMENTE o foi, ou então prefira o FCP e quiçá, recentemente, o próprio SCP.

O curioso (e preocupante), é que foi desde o surgimento da Benfica TV (agora BTV), da qual sou assinante também e na qual vejo bastante mérito, que este tipo de Benfiquismo "à laia do FCP" começou a surgir em grande número. Chega a enjoar, a quem acompanha o canal e se apercebe do lado negativo do mesmo, o número de referências que se fazem à condição de Salvador Messiânico de Luís Filipe Vieira e, por atrelado, de Vilarinho. Surge constantemente a imediata referência a Vale e Azevedo como climax supremo da decadência Benfiquista, mas referências a Manuel Damásio são, no mínimo, neutras. A frase "se calhar preferias o Vale e Azevedo?!" terá rapidamente de sair do vocabulário dos verdadeiros Benfiquistas se querem de facto voltar a ter o clube dos sócios para os sócios. Esta guerrilha interna tresanda a "Pinto-da-Costismo" e, por muito que Luís Filipe Vieira tenha recentemente (muito timidamente, diga-se), criticado o líder Portista, a verdade é que ele o tem entre os seus amigos pessoais e isso é impensável para um verdadeiro Benfiquista.
Im-pen-sá-vel.
Desde a Benfica TV, temos propaganda pró-Vieira, não pró-Benfica. Onde estão os programas de debate dos prós e contras em relação a determinadas decisões ou rumos escolhidos quanto à gestão do clube? Há talk-shows, há, mas são convidados apenas aqueles que souberem louvar o grande Salvador do Sport Lisboa e Benfica! São estes comentadores que criam uma relação de Codependência nos adeptos que depois "põem os dissonantes na ordem". Querem ver que Luís Filipe Vieira, que está farto de fazer negócios proveitosos para si, com o nome do Benfica metido no meio, é mais Salvador que Cosme Damião? É Luís Filipe Vieira o exemplo a seguir deste neo-Benfiquismo? Para mim, NÃO!


E estou farto de ver pessoas, cuja opinião (quando fundamentada) é contrária à propaganda da Benfica TV, serem insultadas e colocadas no saco dos "antis". Qual o medo afinal? O de voltar a haver um Vale e Azevedo enquanto se ignora um Damásio? O "péssimo" não torna melhor o "mau" pela comparação, mas é ao perder-se a capacidade de crítica que se entra no sono profundo que permite o aparecimento de mais "maus" e mais "péssimos", tal como a extinção de tudo o que representa o Sport Lisboa e Benfica.

Como aponta bem Alberto Miguéns, no seu artigo E Se Ouvíssemos Cosme Damião, para as palavras do próprio fundador, acerca do assunto!


«O interesse e a boa crítica, são dentro do clube, as forças morais, mas estas não se devem converter em instrumentos de imposição ou predomínio, porque se tornarão antipáticas, perigosas e até mesmo prejudiciais. Quando nos associamos a um clube não deve ser com o fito de destacarmos a nossa personalidade, mas sim para defender  os seus interesses sacrificando muito o nosso amor próprio e sempre o "eu" pessoal.»

 

Não há neo-Benfiquismo.

O Benfica já o era muito antes de 2000 e já era "salvo" por gente que nem é lembrada.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 14:57


Jorge Jesus no Sporting: Cui Bono?

por Admirador do Isaías, em 04.06.15

A expressão latina cui bono? - às vezes também expressa como cui prodest? - significa literalmente "a quem beneficia?" e é usada tanto para sugerir um motivo oculto quanto para indicar que o responsável por algo pode não ser aquele que, a princípio, parece ser. Geralmente a expressão é usada para sugerir que a pessoa ou pessoas culpadas de um crime devem estar entre aqueles que têm algo a ganhar com ele. Aplica-se na investigação criminal, sugerindo que a descoberta de um possível interesse pode servir para descobrir o culpado do delito.
- http://pt.wikipedia.org/wiki/Cui_bono%3F

O impensável aconteceu mesmo. Dou a mão à palmatória, pois fui dos que não creram no desenho que parecia formar-se. Jorge Jesus mudou do Sport Lisboa e Benfica directo para o Sporting Clube de Portugal.

Não é mistério para quem já me leu que sou fã do trabalho de Jorge Jesus. Mais: penso que ele devolveu uma identidade popular ao clube com o seu jeito de comunicar e tocar numa Portugalidade que é tão imensa como o Benfica. Esta saída significa obrigatoriamente uma reestruturação, mas seria essa a ideia base por detrás do que falhou nas negociações de renovação entre Vieira e Jesus? E como surgem ao Sporting, caídos do céu, investidores que potenciaram esta facada no orgulho e competência Benfiquista?

Afinal, Cui Bono?

Tinha já deixado um alerta, ainda sem me passar pela cabeça que podia ser esta a consequência, de que a proximidade de Luís Filipe Vieira com Pinto da Costa se tratava de um perigo para o Benfica. A instituição usurpada pelo último renasceu apoiada exclusivamente no ódio ao Sport Lisboa e Benfica, fazendo disso a valência das suas forças. Entre os métodos utilizados na altura da ascensão Portista, esteve sempre a cisão entre os dois grandes clubes sediados em Lisboa e o incentivo ao ódio e violência entre os mesmos, deixando o FC Porto folgado para subir passo a passo.
Quando o Benfica e o Sporting guerrearam sob a supervisão do novo Porto, Cui Bono?

Porque haveria o Presidente do Sport Lisboa e Benfica de aceitar um qualquer arranjo com Pinto da Costa seja para o que for? Porque demonstrou tanta cautela e se mostrou tão contido nessa altura Luís Filipe Vieira perante o inimigo número 1 de todos os valores da instituição Sport Lisboa e Benfica?
Luís Filipe Vieira tem esqueletos no armário, segredos e assuntos esquecidos que prefere não ver renascidos em praça pública. Quando se faz um favor a um mafioso, fazem-se todos, pois o primeiro é a salvaguarda para todos os outros.

Correndo o risco de parecer paranóico, postulo que Pinto da Costa terá cobrado um favor a Luís Filipe Vieira: A saída de Jorge Jesus.
Sabendo o líder Portista que Jorge Jesus dificilmente se integraria nas hostes do FCP, tal foi o ódio incentivado pelos seus comandados à figura do treinador do Glorioso, decidiu-se por promover uma facada, um golpe duplo, com que podia, pelo menos por uma época, arrumar os dois grandes de Lisboa e ficar folgado para, com Lopetegui ou mesmo, quiçá, Marco Silva, reconquistar o campeonato. Porquê golpe duplo? Porque Jorge Jesus vai fazer o Sporting melhorar muito mas duvido que consiga, estruturalmente, fazê-lo campeão - e Pinto da Costa sabe-o. E depois porque a saída de Jorge Jesus do Benfica deixa o futebol Benfiquista fragilizado, naturalmente - a não ser que Rui Vitória consiga, em tempo recorde, o milagre da... vitória.
Eis, talvez, sem realmente saber, na altura, o perigo que vaticinei involuntariamente. Exposto o golpe, tudo parece mais claro, digo eu.

Não duvido das competências de Rui Vitória, duvido do seu traquejo, isto é, da sua capacidade de superação, de se erguer ao desafio de estar constantemente sobre escrutínio e saber transmitir e vingar as suas ideias. Duvido, mas isso não quer dizer que não possa estar enganado - e espero que esteja!
Será afinal Marco Silva? Talvez seja ainda uma possibilidade. Mais competente, já testado, com um trabalho bem vincado e coroado numa época neste mesmo Sporting, com um plantel de meio da tabela. Desse duvido menos, mas será sempre um reinício.

Depois, temos o caso de Luís Filipe Vieira. Se falhar o tri, sairá sob enorme contestação. Se calhar foi o acordo a que chegou com Pinto da Costa, sair no fim do mandato.
O problema será, quem depois? O fraco Seara, demasiado ligado a Joaquim Oliveira? O ridicularizado Rui Gomes da Silva? Eis aí, o que poderá ser o xeque-mate do lance de Pinto da Costa quando, se postulo correctamente, deu as suas ordens a Vieira.
Quem o sucede, neste vazio? Ninguém à vista. No entanto, não quer isso dizer que não haja ninguém, credível e forte. Só que o ambiente criado pelos Benfiquistas tem de ser propício a que essa pessoa surja. Não poderá ser de pânico, não poderá ser incendiário. Terá de ser de mangas arregaçadas para levar, de novo, o Benfica ao colo.
Como o fez quando não tinha campo para jogar futebol. Como o fez quando ficou sem jogadores. Como o fez quando tiveram os sócios de construir o próprio estádio.
Se surgirem esses Benfiquistas, o homem certo emergirá. Se surgirem os incendiários, será um dos outros, incapazes de fazer frente aos desafios e ao poder do polvo da fruta.

Nunca perder de vista que, mesmo quando o Sporting aparece animado de aparente força vital própria, o inimigo está sempre por detrás dessa força, para que os dois maiores clubes portugueses jamais se entendam e limpem o futebol.

Aquando da saída de Artur José Pereira para o Sporting (bombástico na altura), Cosme Damião terá dito:
“O Sporting tem dinheiro. Nós temos dedicação. No imediato o dinheiro vence a dedicação. No futuro, a dedicação goleia o dinheiro”

E depois, acerca dessa mesma pré-época, disse:

- publicado originalmente em:

http://em-defesa-do-benfica.blogspot.pt/2014/07/cosme-damiao-e-pre-epoca-191415.html


Perante este ataque, o que podemos fazer é continuar a dedicação do nosso colinho ao Sport Lisboa e Benfica e encontrar soluções... para esta época e, provavelmente também, para o fim deste mandato de Luís Filipe Vieira.

---


Actualização 5 de Junho 8:40h:


Luís Filipe Vieira discursou aos Benfiquistas dizendo-se "desiludido mas não surpreendido" com a atitude de Jesus. Coloca-se na posição de vítima e prossegue a demonização do treinador. Contudo, questiono-me: Se não está surpreendido, se sabia de algo previamente, porque não tentou a renovação mais cedo? Se não sabia, porque diz então que não está surpreendido? Tinha dúvidas quanto ao carácter de Jorge Jesus? Se sim, então porque não acautelou desde logo um técnico de valia superior, ainda com a época a decorrer, por forma a tomar posse mal a época acabasse? Ou para Luís Filipe Vieira, esse técnico superior (pelo menos ao nível de Jesus) é Rui Vitória?
Considero que o Presidente do Sport Lisboa e Benfica tenta atirar areia para os olhos dos Benfiquistas. Há (muito!) mais por detrás de todo este processo. Para mim, não faz sentido de outra forma.


Actualização 5 de Junho 13:48h:

http://observador.pt/2015/06/05/o-que-vieira-disse-de-jesus-aos-deputados/

Segundo este artigo, alguns deputados que jantaram ontem com Luís Filipe Vieira revelaram excertos de conversas privadas que tiveram com o Presidente do Benfica. Acho estranho que tal aconteça espontâneamente, pois seria fácil para Vieira descobrir quem falara por saber o que disse a quem. Nenhum dos deputados, com certeza, quer, politicamente, correr o risco de ficar marcado como um "bufo". Logo, ou a notícia é fabricada à partida, ou as revelações feitas pelos deputados são propositadas e acordadas com Vieira. O certo é que todas elas beneficiam a imagem de Vieira e prejudicam a de Jorge Jesus, mesmo que, enfatizo, sejam baseadas em factos reais ocorridos durante estes seis anos. A meia verdade é, logo à partida, meia mentira, pelo menos.


Actualização 5 de Junho 16:07h:

http://www.publico.pt/desporto/noticia/jesus-parto-com-a-consciencia-do-dever-cumprido-grato-pelo-carinho-1698012

Diz-se que na vida por cada porta que se fecha, uma outra se abre.

Cumpro, este mês, o fim de um ciclo de seis épocas desportivas ao serviço do Sport Lisboa e Benfica, que me possibilitou viver alguns dos momentos mais felizes e marcantes da minha vida profissional... e essas são as memórias que, para sempre, em mim perdurarão.

Ao longo desse período sempre ofereci o meu melhor em proveito do clube, tentando respeitar a sua história e grandeza.
Contudo, todas as épocas têm o seu fim e as instituições são sempre maiores do que as pessoas que ao longo da sua vida por ela vão passando.

Parto, com a consciência do dever cumprido, grato pelo carinho e oportunidade com que fui brindado ao longo deste período.


Este comunicado assinado por Jorge Jesus, escrito claramente por outra pessoa, talvez com o seu aval, em nada adianta o assunto. Palavras parcas e vãs para o que foram estes 6 anos. Se é que foi injustiçado, como alguns defendem, esta era a uma oportunidade para pôr os pontos nos "i's". Ainda terá mais oportunidades para o fazer.
A minha opinião é que ele está perfeitamente ciente do que verdadeiramente se passou e foi agente activo na jogada.


Actualização 5 de Junho 19:58h:

http://ptjornal.com/video-jorge-jesus-e-bruno-de-carvalho-jantaram-juntos-apos-pacos-benfica-41116

Surge o testemunho de uma pessoa, que deu o nome de Alexandre Cardoso, empregado de mesa de um restaurante, indicando que serviu Bruno de Carvalho e Jorge Jesus, jantando à mesma mesa, na semana da derrota do Benfica em Paços de Ferreira.

Se for verdade, não só Jorge Jesus foi peça activa neste lance bombástico, como se percebe que Luís Filipe Vieira não tinha condições de confiança para manter a relação com o treinador. Outra questão é: quem promoveu este jantar entre os dois, ainda por cima numa semana tão crítica? Porquê arriscarem ambos serem reconhecidos num restaurante, quando bastava encontrarem-se numa casa privada, longe do olhar de qualquer transeunte ou funcionário? Faz sentido este relato?


Actualização 6 de Junho 16:28h:

http://www.cmjornal.xl.pt/desporto/detalhe/benfiquistas_organizam_manifestacao_por_marco_silva.html

Página criada no Facebook, promove manifestação pacífica no Estádio da Luz, para convencer Luís Filipe Vieira a contratar Marco Silva. Será a criação deste movimento espontâneo ou uma forma de justificar a correcção da primeira escolha de Vieira? Interessante será, também, verificar a adesão a esta manifestação.


Actualização 6 de Junho 20:55h:

http://www.record.xl.pt/multimedia/hora_record/interior.aspx?content_id=953345

Record TV faz o seu próprio apanhado do que se passou nas conversações para renovação. Seja verdade, mentira ou mais ou menos, este é o primeiro passo para se abrir a porta à ideia de Luís Filipe Vieira não se recandidatar ou ter como perder as próximas eleições. Interessante, tendo em conta o que especulei neste artigo.


Actualização 7 de Junho 14:46h:

http://www.noticiasaominuto.com/desporto/402205/auto-golos-sao-razao-para-cardozo-rejeitar-sporting#/615/0

Aparentemente a pedido de Jorge Jesus, o Sporting tem começado a encetar contactos por alguns nomes para a estrutura técnica do futebol e também para o plantel. Já houveram várias respostas negativas a tal ideia de integrar a equipa do Sporting, mas talvez a que tenha mais classe, paixão e simbolismo é a resposta de Óscar Cardozo, o melhor marcador estrangeiro do Benfica:

"Sporting? Não gosto de marcar auto-golos"

 

Actualização 8 de Junho 16:38h:

http://www.zerozero.pt/news.php?id=156257

Se se confirmar esta notícia, então Maxi juntou-se, naturalmente, ao rol de figuras que Jorge Jesus pretendia levar para Alvalade. Mais: também terá recusado o FC Porto, o que é deveras importante realçar. Aguardemos pois pela oficialização.

 

Actualização 9 de Junho 08:32h:

http://rr.sapo.pt/opiniao_detalhe.aspx?fid=34&did=189880

Ribeiro Cristovão, jornalista desportivo e conhecido sportinguista, escreveu este artigo deixando sérias dúvidas sobre o procedimento de Jorge Jesus e Bruno de Carvalho. O dinheiro! De onde vem o dinheiro?!

«Jorge Jesus, de férias nos Estados Unidos enquanto não deita mãos ao trabalho está, no entanto, suficientemente tranquilo e confortável. É que o seu advogado, quando abandonou Alvalade, depois de ter confirmado o contrato entre o treinador e o Clube, era portador, além de dois cheques bem nutridos, de 36 garantias bancárias condizentes com os 36 meses a que corresponde a sua ligação à nova entidade patronal.

Sabendo certamente daquilo que havia sucedido a Marco Silva, ou seja o despedimento por justa causa, Jorge Jesus quis prevenir-se antes de ter de (eventualmente) remediar.

Daqui se conclui que o presidente do Sporting aceitou todas as exigências que o seu novo treinador decidiu colocar em cima da mesa.»


Actualização 11 de Junho 10:36h:

http://web3.cmvm.pt/sdi/emitentes/docs/FR56127.pdf

Rui Vitória é oficialmente registado na CMVM como o próximo treinador do Sport Lisboa e Benfica.

Actualização 6 de Julho 08:31h:

Jorge Jesus, entrevistado pela primeira vez enquanto treinador do Sporting, teve, entre outras, duas declarações importantes:

- O Benfica não lhe ofereceu um salário abaixo do anterior, como fora noticiado na comunicação social.

- Resolveu a situação relativa à proposta do Sporting em dois dias, tendo sido contactado apenas após a época terminar.

Pela parte que me toca, apenas a primeira é credível. É óbvio que uma mudança destas não se trata nem se resolve em dois dias. Fica o apontamento, agora que a situação começa a clarear.

Actualização 21 de Agosto 15:49h:

"Benfica e Sporting de candeias às avessas e o FC Porto (conjunturalmente perto dos leões na eleição de Pedro Proença) nas suas sete quintas, eis o estado na nação futebolística neste princípio de temporada. Nas últimas três décadas, Pinto da Costa teve sempre o feeling certo para tirar partido das guerras a sul, capitalizando-as em favor dos dragões. Muitos são os exemplos de alianças pontuais com águias ou leões, que, invariavelmente beneficiaram o FC Porto. Desta feita, depois do acordo tácito com o Sporting que permitiu derrotar Luís Duque e colocar na liderança da Liga Pedro Proença, Pinto da Costa, por mais que diga que isso não lhe interessa nada, só pode observar, de cadeirinha e com um sorriso rasgado no rosto, a troca de mísseis entre a Luz e Alvalade e vice-versa. 
E enquanto os eternos rivais se fragilizam, o FC Porto - como sempre - toma partido por um deles, ajustando o discurso e isolando o outro.
São estes os parâmetros em que está lançado, fora das quatro linhas o campeonato nacional. Da estratégia do FC Porto continuará a fazer parte um ataque cerrado a Vítor Pereira, que no próximo ano irá a votos na FPF; e outro, quiçá mais difícil mas não menos empenhado, à liderança federativa de Fernando Gomes. Apadrinhar listas que tirem do poder os atuais presidente dos árbitros e presidente da FPF é o passo que se segue, sendo que o primeiro é um alvo mais vulnerável; o segundo, vice-presidente da UEFA e com um trabalho de monta já realizado, será mais difícil de abater. O certo é que o FC Porto está a tentar criar, sábia e pacientemente, condições para recuperar influência."
 
José Manuel Delgado, in A Bola
 

Actualização 25 de Agosto 11:06h:

http://expresso.sapo.pt/desporto/2015-08-25-A-historia-desconhecida-da-ida-de-Jesus-para-Alvalade-

Jorge Jesus atendeu o telefone, e do outro lado da linha estava o senhor X, que ele conhecia de outras andanças, de outros negócios. “Está tudo bem contigo e com a tua família?”, perguntou o senhor X, mas o que lhe interessava saber era como estavam as coisas entre ele e o Benfica. O senhor X abriu o jogo, disse-lhe que estava a telefonar mandatado pelo Sporting e por Bruno de Carvalho (BdC), que o queria a ele e não queria Marco Silva. “É tudo muito bonito”, respondeu-lhe Jesus, mas o senhor X e BdC só podiam estar malucos — onde é que já se tinha visto aquilo, o Sporting com dinheiro para pagar o que pagava o Benfica, se o que se contava era que não tinha um euro para mandar cantar um cego?... O senhor X descansou-o.

“O dinheiro é com o Sporting”, disse ele, pedindo-lhe que avançasse um número, não aquele que achava poder receber em Alvalade, mas o que realmente queria. “Cinco milhões.” O senhor X anotou e prometeu ligar-lhe dentro de dias com novidades. Despediram-se. Uma semana depois, o senhor X voltou a ligar, e Jesus ouviu o que queria. “Cinco milhões de euros. Se quiseres, são teus.”


E quem é este Senhor X? E quem deu a ideia a Bruno de Carvalho? E quem forneceu a linha de financiamento, de onde quer que ela venha, para tal? Basicamente, pergunto: quem foi o Senhor X do Bruno de Carvalho, que terá semeado a ideia, regado quando ela ganhava forma e aplicado o adubo?

 

Actualização 22 de Setembro 11:28h:

http://www.noticiasaominuto.com/desporto/455089/amarelos-a-maxi-passam-se-coisas-esquisitissimas

“Não temos quatro pontos porque não estamos a jogar só com o Benfica, porque estamos provavelmente iguais ao Sporting, e cuidado com o Sporting! Porque o que faltou ao Benfica neste jogo sobra agora ao Sporting: o Jorge Jesus”

 

Pinto da Costa comenta a falta que Jorge Jesus faz ao Benfica e que este beneficia agora o Sporting. Uma vez mais, procura dividir os dois maiores clubes de Portugal, mas mais importante ainda, deixa implícito que o Porto beneficiou com a mudança de treinador da Luz para Alvalade, abrindo a porta à sua (para mim, óbvia) participação, ainda que indirecta, com certeza.

 

Actualização 15 de Outubro 16:12h:

http://redpass.blogs.sapo.pt/o-artigo-completo-da-sabado-sobre-o-1005147

Publico o artigo da revista Sábado, apresentada pelo blog Red Pass, acerca dos detalhes que envolvem o processo movido pelo Sport Lisboa e Benfica a Jorge Jesus, relativo às circunstâncias da sua saída para o Sporting Clube de Portugal.

Não sei se é por ser "conversa de advogado", é possível que sim, mas parece-me uma exposição recheada de exagero, colocando toda a responsabilidade do outro lado. É claro que numa exposição processual deste tipo, seria de esperar que tal fosse feito, mas parece-me uma hiperbolização extrema de algo que, sendo sustentado em prova, não requereria tamanha "enfatização poética", na minha opinião.

Bom, também pode ter sido a revista Sábado a dar esse cunho mais "lírico" ao exposto no processo, é possível.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 22:44




Admirador do Isaías

foto do autor


O verdadeiro Isaías!


Petição


Isaías celebra o TRI!


Rui Vitória


Campeões Eternos


Cosme Damião


Fehér, eterno 29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog