Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Isaías no Benfica!


Primeira Liga 2017/18



Dobradinha! Grande (Rui) Vitória!

por Admirador do Isaías, em 30.05.17

Diante de um Vitória demasiado agressivo, não travado por uma arbitragem disciplinarmente passiva, o Benfica uniu-se, fez-se forte e conseguiu resolver uma final complicada em 5 minutos na segunda parte.

 

 

O jogo em si foi mais de luta que de espectáculo, mas o que queríamos concretizou-se. Juntámos mais uma dobradinha ao inédito Tetra e vamos de férias com a chama imensa bem acesa.

 

Parabéns a Rui Vitória por a acender, por nunca tremer diante do trabalho à sua frente, por nunca temer a derrocada quando a derrota nos visita. Fiel, dedicado, humilde. Coerente, sereno, competente.

Vamos de férias tranquilos, sabendo agora que na "Cadeira de Sonho" está um Sonhador com os pés bem assentes no chão.

 

Rumo ao 37! Rumo ao Penta!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 09:08


Movidos pelo Son(h)o

por Admirador do Isaías, em 06.04.17

Ontem o Benfica passou à final da Taça de Portugal, no Jamor. Mais uma final em que marca presença e uma em que gostaríamos de alterar o histórico recente com o Guimarães.

 

Contudo, essa passagem não pode nem deve apagar o que se passou ontem no jogo da 2ª mão.

Uma equipa do Estoril movida pelo Sonho (e bem!).

Uma equipa do Benfica movida pelo Sono.

 

 

Quem entrou ontem em campo com a sonolência desrespeitosa para com o adversário e a competição, nada aprendeu com a Taça da Liga em Janeiro, no Algarve.

 

E mais não digo, pois há que pensar precisamente no Moreirense já no Domingo.

Avisos servem somente àqueles que os escutam. Movidos pelo Sonho!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:40


Mitroglou com as Chaves da vitória (também) no Estoril

por Admirador do Isaías, em 01.03.17

Parabéns Sport Lisboa e Benfica, pelo 113º aniversário!

 

CHAVES

 

Grande jogo de futebol, um raro encontro em que houveram de facto duas equipas em campo a querer jogar futebol, a procurar vencer e não apenas conter o jogo até ver se aparece qualquer coisita. Um Chaves que se mantém forte, organizado e seguro de si, veio à Luz com uma clara ideia de se impor com as armas que tem. Sendo estas inferiores às do Benfica, particularmente no centro do ataque, a diferença surgiu com naturalidade e legalidade. Mitroglou: o homem que tem feito do Tetra uma possibilidade cada vez mais próxima.

 

 

ESTORIL

 

Taça é sempre Taça. Eu seguramente não esperava facilidades de uma equipa que se apresenta nas meias finais com o mérito de ter derrubado as barreiras até lá chegar. A equipa do Estoril dividiu o jogo na primeira fase do encontro, mas foi perdendo o controlo dos espaços, aos poucos, para o Benfica. Pedia-se mais, no entanto, ao Glorioso.
Rafa, por exemplo, queixa-se de azar ao invés de aprender como se mete o pé à bola para um remate com mais possibilidades de ser eficaz.
Filipe Augusto esteve bem até à lesão, num lance em que Eliseu claramente se desconcentrou e ofereceu o golo ao adversário.

Contudo, apesar de bem contrariado pelo Estoril e de não ter colocado em campo uma exibição ao seu nível e ao nível exigido, o Benfica controlou os acontecimentos e acabou por vencer, uma vez mais, devido aos golos de Mitroglou.

Porque sou Benfiquista (e isso para mim tem um significado superior) não tenho qualquer problema em verificar que o segundo golo do Mitroglou foi obtido, sem dúvida, em fora-de-jogo, como pode ser verificado na imagem abaixo:

Conseguido mais um passo para nos mantermos na luta pelo Tetra e outro para nos aproximarmos da final do Jamor, há que ter máximo foco para o jogo com o Feirense, partida em que teremos de ser o habitual Benfica eficaz para vencer com menos problemas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:25


Regresso

por Admirador do Isaías, em 19.01.17

Resolvidas, aparentemente de vez, as questões que me impediam acesso à internet, regresso finalmente Ao Colinho do Isaías. Regresso aqui após dois meses em que o Benfica conseguiu manter-se em todas as provas e liderando o campeonato focado em si mesmo apenas. Orgulho.

 

A dúvida que ficara no grupo em relação ao jogo com o Boavista (com ou sem razão de queixa da arbitragem, temos equipa para não podermos desculpar-nos com isso) poderá ter sido eliminada com este jogo calmo e tranquilo, precisamente o que a equipa precisava neste momento, com a importância da qualificação para as meias-finais do Campeonato de Portugal .

 

 

A falta de rotinas em conjunto da linha defensiva que jogou ontem proporcionou dois golos ao Leixões, o que terá de merecer atenção e trabalho - contra uma equipa da I Liga, encaixar dois golos poderá ser bastante problemático.

 

Ainda assim, a equipa está bem, aliás, o plantel está bem. Rui Vitória (que errou no alinhamento diante do Boavista, claramente), revela-se inteligente ao entender, assumir (não tem de o fazer publicamente) e corrigir os seus erros. A equipa que apresentou ontem diante de um dos últimos classificados da II Liga, após aquele 3-3, enviou uma mensagem clara e tranquilizou os jogadores. O resto, foi o talento a fazer golo.

 

Zivkovic é cada vez mais o titular que precisamos na ala direita. Seguramente que haverá inteligência também de Rui Vitória na forma como irá fazer essa transição, de modo a que o plantel se mantenha unido e todos os jogadores se sintam importantes.

 

Força Benfica!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 09:10


Este banho até deu para lavar atrás da orelha

por Admirador do Isaías, em 20.11.16

Depois do modo bastante afortunado (e crente!) como conseguiu o Benfica sair com um ponto do Dragão, numa partida em que foi claramente inferior, ficara uma pulga atrás da orelha de cada um dos Benfiquistas.

Após uma sequência tão boa de exibições, seria aquele jogo no Porto um ponto de viragem exibicional?

 

A resposta, após esta paragem das selecções (que nos trouxe mais um lesionado, volta lá rápido André!), foi um banho de bola tal que deu para lavar atrás da orelha e soltar a pulguinha que lá se alojara.

O Marítimo é que se apresentou muito frágil para defrontar uma equipa tão dinâmica e pressionante como o Benfica foi durante todo o encontro. Há muito ali a rever para a equipa Madeirense. Esta decisão de alterar as suas habituais listas verticais para horizontais, no equipamento, deu-lhes um ar de Freddy Krueger - sendo que neste caso o pesadelo foi mesmo deles próprios.

Foi o Benfica muito bom ou o Marítimo muito mau?

 

Ambos!

 

Carrega Benfica!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 12:03


Tri-Campeões 2015/16: filme da autoria de dfernandes

por Admirador do Isaías, em 24.06.16

Agradecimento ao dfernandes do Chama Gloriosa por este magnífico trabalho! :-)

 

Parte 1:

 

Parte 2:

 

Parte 3:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 19:18


Caso "Cotovislam" Slimani: O Sr. Domingos não é Cordeiro

por Admirador do Isaías, em 16.06.16

Ainda não acabou, o caso acima, ainda que já tenha sido concluído oficialmente. O Sr. Domingos Cordeiro, vogal no caso, escreveu uma carta aberta a expôr o que considera ser «tudo menos uma decisão baseada na Lei e nos Regulamentos. É, antes, uma decisão de política desportiva, determinada por "atendismos"».

 

O Benfica manda nisto tudo!... Não é?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:57


Foi sem querer, coitadinho! Alá o guarde!

por Admirador do Isaías, em 08.04.16

http://www.record.xl.pt/futebol/futebol-nacional/liga-nos/detalhe/as-explicacoes-do-cd-para-absolver-slimani.html


O Conselho de Disciplina (CD) justificou a decisão de absolver Slimani por considerar que não foi provado que o argelino "tenha corrido na direção do jogador n.º 7 do Benfica (Samaris) atingindo-o com o braço direito na nuca e agindo livre e conscientemente, bem sabendo que ao atingir o jogador adversário estaria a violar o RD da FPF". Além disso, o CD também não concluiu "sem margem para dúvidas que o lance não foi observado por nenhum elemento da equipa de arbitragem".

No acórdão, a que Record teve acesso, explicam-se também os termos da defesa de Slimani. "Não estava a correr na direção do jogador Samaris, mas sim, tal como é visível nas imagens, na direção da bola", argumentam os leões.

"O arguido [Slimani], perante a obstaculização do jogador Andreas Samaris, que abre os braços e se desloca lateralmente no momento em que o tentava contornar, tem a reação instintiva de atirar o braço para a frente, tentando rodar o seu corpo, e desfortunadamente atinge aquele jogador", diz ainda a defesa do Sporting, garantindo que "caso o arguido não tivesse projetado o braço para a frente, teria sido atingido na zona do peito pelo cotovelo" de Samaris.

Outra das razões apresentadas pelo emblema de Alvalade é "pela posição relativa do árbitro, da bola e dos jogadores Slimani e Samaris, facilmente se conclui que o lance do choque estava perfeitamente enquadrado com a linha de visão do árbitro", pelo que, conclui, Jorge Sousa "não pode ter deixado de observar o lance".

 

https://en.wikipedia.org/wiki/Rabbit_punch


Aqui o Teo "Plata o Plombo" Gutierrez também "tentou tirar o pé" e até "já telefonou ao Ventura" para pedir desculpa. E estava a ganhar, se tivesse a perder ou empatado, tinha arrancado a cabeça.

 


Um dia morre alguém e depois podemos fazer um minuto de silêncio e ficar muito consternados pela tragédia imprevisível.

 

No Rugby nem um nem outro escapavam: nem às sanções pesadas, nem ao escrutínio dos seus pares.

 

http://www.record.xl.pt/modalidades/raguebi/detalhe/argentino-suspenso-por-99-anos.html

 

E os brutos são os do Rugby, não é?

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 14:58


Desresponsabilização? No Benfica, não.

por Admirador do Isaías, em 23.11.15

Esta é a palavra-chave do actual princípio de comunicação do Benfica. Nunca há responsabilidade própria dos "responsáveis" seja pelo que for. Há a circunstância, há o factor externo e incontrolável, mas nunca uma incompetência própria, um espírito crítico que só os verdadeiros campeões têm sempre presente e que fez do Sport Lisboa e Benfica um clube de dimensão mundial.

Após mais uma exibição vergonhosa da equipa de futebol diante do seu maior rival de Lisboa, o Sporting, ouvimos Rui Vitória dizer que não quer ser "comido", porque a sua equipa tinha sido prejudicada pela arbitragem. Até pode ter sido e, afirmo eu aqui que o foi. Só que antes de esses critérios díspares e esses lances de julgamento prejudicial terem verdadeiro impacto no resultado obtido, há que ter o seu trabalho feito. A equipa do Benfica apresentou-se um pouco melhor durante os primeiros 10 a 15 minutos, 20 talvez, mas depois afundou-se novamente naquele abismo exibicional, próprio de uma equipa sem noções tácticas, quer ofensivas, quer defensivas. Na realidade, termos chegado ao prolongamento, foi um milagre - e o Sporting, estando a jogar melhor, nem estava a jogar assim tanto (na Luz jogaram muito melhor, por exemplo).
Li a opinião de que são os jogadores que não servem - só aceito essa explicação parcialmente, pois apesar de o plantel precisar de melhoramento em algumas zonas, temos jogadores para jogar MUITO melhor. A realidade é que temos jogadores em campo, colocados sabe-se lá com que instruções, que ora não sabem o que fazer nos vários momentos de jogo, ora tomam demasiadas vezes decisões erradas. Isto, quer se goste quer não, é falta de qualidade de treino táctico. Para isso, precisa-se de um bom treinador, um treinador com ideias fortes e de futebol de clube grande. O jogador só pode ser responsabilizado mediante o papel que lhe foi entregue para desempenhar pelo treinador.

Só que Rui Vitória, estando a seguir o caminho definido pela comunicação do Benfica (que é presidencialista e não clubística), está a negar a sua própria incompetência tal como Vieira, pelo mesmo método, o fez várias vezes. Essa é uma postura perigosa para o treinador, porque este não tem a boia de "salvador do Benfica" que Vieira tem e de que se serve sempre para cobrir os seus próprios pecados e insuficiências. Ao seguir uma estratégia de "chuto para a frente" não só no campo mas também na comunicação, Rui Vitória pode estar a enterrar definitivamente o seu futuro - pois por vezes um treinador pode não estar preparado para um clube grande num determinado momento, mas vir a estar preparado mais à frente na sua carreira.
Vieira, já se sabe, é sempre defendido pela comunicação do clube como bem perto da perfeição. No entanto, quando se trata do que mais importa para qualquer dos aspectos do clube, que é o rendimento da equipa de futebol, Vieira é, talvez, o segundo presidente do Benfica mais incompetente (sendo Damásio o primeiro). É que foi Vale e Azevedo que descobriu Mourinho, por exemplo!
Reafirmo que o que Vieira fez de bom pelo Benfica, está feito. Os seus méritos estão esgotados e a sua contribuição concluída já faz tempo. Mais a mais, não fez mais que o seu dever enquanto Presidente desta instituição que já teve muito mais "salvadores" pouco recordados, do que Vieira tem campeonatos de futebol conquistados.

Quanto ao jogo, reafirmar a total ausência de combinações e movimentações é já cansativo. Deixo, por isso, o habitual video de resumo do jogo e a análise do Eu Visto de Vermelho e Branco.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 09:15


Ferrugem na Taça

por Admirador do Isaías, em 19.10.15

Após a paragem forçada no nevoeiro da Madeira, seria natural haver alguma falta de ritmo. No entanto, e talvez devido ao tempo húmido, viu-se que o Benfica tinha era ferrugem nesta Taça. O escalonamento do onze inicial revelou rotação, sim, mas também a apresentação das melhores segundas linhas disponíveis, pelo que Rui Vitória revelou respeito pelo Vianense, como equipa mais pequena que espreita sempre agigantar-se perante uma equipa grande num jogo a eliminar. Tinha razão em pensar assim.

O Benfica entrou forte e podia ter marcado logo no primeiro minuto, se Talisca tem conseguido ultrapassar Jonas (não, não era o nosso "pistolas"). Sem ser obrigado a produzir um futebol de grande nível, a equipa do Benfica ia conseguindo criar perigo, aproximando-se, aos poucos, de um anunciado golo. Ele lá surgiu, fruto de um lançamento lateral, com Carcela a desferir um remate impressionante tecnicamente. Bastaria marcar o segundo agora.

Só que nem sempre o pouco que basta é fácil de obter. O Benfica ia conseguindo criar perigo, jogando até melhor na segunda parte que na primeira, mas a bola teimava em não entrar - entre um grande Jonas guarda-redes, o seu poste direito e a ferrugem do Benfica nesta Taça, viveu o desperdício.

"Quem não marca, sofre" - está escrito no compêndio dos ditados populares do futebol. A sabedoria popular (e de quem quer que tenha criado a expressão) ficou bem patente no que se passou a dez minutos do fim. Com o Benfica a gerir o jogo, adivinhando-se o segundo golo, eis que surge Colibaly a desferir um remate absolutamente fabuloso, aninhando a bola no mesmo canto enfeitiçado da baliza em que Carcela tinha colocado a dele. 1-1 e agora era tempo de viver o susto.

No entanto, devo confessar, não me intimidei. Senti, por qualquer motivo que não sei explicar, que o Benfica iria vencer ainda nos 90 minutos. Algo me dizia que aquele tinha sido o Momento do Vianense e que este tinha esgotado a sua boa estrela. Felizmente, estava certo. Um canto bem marcado e um Jardel a reaparecer nas bolas paradas com o seu jogo aéreo: 1-2 e jogo resolvido.

 


Devia ter sido mais fácil? Talvez, mas o Vianense "danificou" a camisola e não foram "pêcos" (desculpem, lembrei-me daquela clássica entrevista a um jogador de um clube das distritais, Zé Nando do S. Pedro da Cova, que recordo abaixo). Onze contra onze e a crença da taça - tudo certo. Agora há que pensar é no Galatassaray!

 

 

Leia uma análise mais factual à partida, por Eu visto de Vermelho e Branco, aqui

 

Notas:

  • A Sport TV envergonha qualquer jornalista sério. Perguntaram ao autor do golo do Vianense, que esforçou-se e bem por falar Português, como tinha sido o jogo. Ele disse, no seu Português naturalmente esforçado de alguém que não domina a língua que o Benfica tinha marcado e depois disse "desorganização". Claramente, estava a dizer que o golo do Benfica tinha sido fruto de desorganização defensiva por parte do Vianense, leitura correcta do lance. Ora o repórter mais tarde transmite a Rui Vitória que um jogador do Vianense tinha dito que o Benfica esteve desorganizado. Mentiroso e vergonhoso! Ou, no mínimo, absurdamente incompetente.

  • Uma palavra para as equipas de Futsal, Basquetebol, Andebol e Voleibol que conseguiram todas vencer os seus jogos, entre os quais constavam um derby e um clássico! No Futsal, vitória 2-1 sobre o Sporting, com uma exibição determinada. No Basquetebol, estando a perder por mais de dez pontos cedo na partida, o Benfica reorganizou-se e deu a volta, vencendo o FC Porto por 11 de diferença. No Andebol, grande vitória sobre uma boa equipa, revelando progressos desde a época anterior. No Voleibol, 3-0 sobre o Castêlo da Maia (Parece que se escreve mesmo assim, com o acento circunflexo). Tudo à Benfica!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 09:21




Admirador do Isaías

foto do autor


O verdadeiro Isaías!


Petição


Isaías celebra o TRI!


Rui Vitória


Campeões Eternos


Cosme Damião


Fehér, eterno 29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Dezembro 2017

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Pesquisar

  Pesquisar no Blog