Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Primeira Liga 19/20



Do Nacional à Académica: duas exibições a preto e branco

por Ao Colinho do Isaías, em 13.04.15

Motivos de força maior impediram-me de comentar mais cedo o jogo com o Nacional da jornada da semana passada. Impediram-me sequer de o celebrar convenientemente. Foi o preto da morte a intrometer-se no branco da vida. Foi o lado reverso da moeda que nos relembra que a festa um dia acaba. Há é esta alegria do Benfica a conviver lado a lado com a mágoa do que se perde para sempre.
A vida prossegue, no entanto, e eu aqui estou.

...

Do jogo com o CD Nacional, destaco a enorme visão de jogo e cultura táctica de Gaitán (adquiridas no Sport Lisboa e Benfica, deve dizer-se), aliadas a uma técnica bem acima da média europeia. Espalhou, sempre que a bola lhe foi endereçada, o perfume de um futebol que, ainda que moderno, se adequava às camisolas do clube Madeirense: o preto e branco. Porquê? Porque fez lembrar o grande Benfica que se via nas velhas TVs a duas cores. Aquele Benfica que não dava hipóteses, especialmente na Luz.

 
Gaitán teve menos magia na partida com a Académica, outra equipa que veste de preto e algum branco, mas todo o Benfica estava tão unido e em rotação tão elevada, que mal se deu pela menor inspiração do Nico na primeira parte. Só que ele até chegou a tempo de aparecer na segunda!

 

Em ambas as partidas, o que se viu foi, como referi, futebol de outros tempos. O preenchimento dos espaços, a vontade de chegar primeiro à bola, a atitude permanentemente ofensiva e com os olhos postos no próximo golo: podiam ter sido jogos do Benfica na Luz na década de 70 - basta colocar-se um filtro de cores para passá-las a preto e branco e colocar algum efeito dando "ruído" às imagens, para se ser transportado para a década em que o futebol total e o futebol samba conviveram lado a lado pelos relvados... e pelo Sport Lisboa e Benfica, nessa altura, passou bastante samba... à moda tuga, é claro.


É certo e sabido que durante estas duas partidas a equipa do Benfica teve momentos de desconcentração e, até, algum descontrolo táctico e emocional. A diferença é que, quando estes surgiram, já o resultado se tinha avolumado o suficiente para que qualquer dúvida se pudesse instalar. Até nisto se pareceram com jogos a preto e branco, as cores das camisolas adversárias.

Não restem dúvidas: nesta fase do campeonato (desde Paços de Ferreira), o Sport Lisboa e Benfica na Luz é um e fora da Luz é outro, essencialmente na atitude mental. Ainda falta bastante, mas se o Glorioso passar no Restelo e colocar em campo, com uma Luz repleta, a mesma mentalidade na partida seguinte, o Bi será uma realidade, ao fim de 31 anos. Que venha... ao colinho de todos nós!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 19:04




4 comentários

De Dr. Chozé Pablito a 14.04.2015 às 10:39

Amigo Isaías, os meus sentidos pêsames. Mas como diz e bem, o Benfica ajuda a superar as mágoas e tem-no feito ultimamente com brilhantismo. Pela minha parte, não embarco na história da equipa ter duas caras, uma em casa e outra fora. Todas as equipas descem de rendimento fora. A questão é que contra o SLB todos comem a relva, vá lá saber-se porquê!... Continue a escrever para nós continuarmos a ler. Um abraço.

De Ao Colinho do Isaías a 14.04.2015 às 15:53

Caro Chozé Pablito,

Antes de mais grato pelas suas palavras.

Sem dúvida que há uma diferença (aliás, natural) na mentalidade dos adversários do Benfica quando jogam em casa contra o Glorioso, comparativamente a outras equipas. Vir à Luz, nos tempos que correm, é enfrentar um inferno que se reacendeu, por isso a tremedeira dos visitantes "cá em casa" também me parece consequência normal.

Apesar disto, no entanto, temos de encarar (na minha opinião) que há diferença entre o Benfica fora-de-casa antes de Paços de Ferreira e o Benfica após essa partida, direi, algo "traumática". Há como que uma pequena sombra, uma nuvem que passou a pairar sobre a confiança dos jogadores ao encarar essas partidas fora desde então.

Só que depois há a onda vermelha, não é? E essa tem sido essencial para cada ponto conquistado, palmo a palmo, neste campeonato.

Consideradamente,
Isaías

De Dr. Ghozé Pablito a 15.04.2015 às 13:00

Sim, Paços de Ferreira é um marco. Há 2 anos também foi esse clube que ajudou a decidir o campeonato. Curioso... Eu diria mais: essa nuvem existe também sobre os adeptos. Creio que no próximo sábado, no Restelo, a vamos pulverizar!

Um abraço

De Ao Colinho do Isaías a 15.04.2015 às 16:27

Que assim seja, caro Ghozé Pablito!
É o que todos desejamos.

Convenhamos que jogar no relvado do Restelo, no que diz respeito à sua dimensão e qualidade, é bem diferente que jogar no da Mata Real ou no dos Arcos.

Abraço,
Isaías

Ao comentar coloque, por favor, um nome no campo respectivo ou faça login através do Sapo ou do Facebook. Isso irá facilitar a identificação nos diálogos:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.



Ao Colinho do Isaías

foto do autor


O verdadeiro Isaías!


Jorge Jesus? Nunca Mais!


Jonas, um de nós!


Campeões Eternos


Fehér, eterno 29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Abril 2015

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930

Pesquisar

  Pesquisar no Blog







subscrever feeds