Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Primeira Liga 18/19



E assim o Benfica volta a ser Glorioso

por Ao Colinho do Isaías, em 19.05.19

Curta mensagem, de felicidade imensa, mas curta:
Remeti-me ao silêncio depois de rebater o pensamento impensável, aquele pensamento "imbenfiquista" de um possível regresso de Jorge Jesus ao Benfica.

E eis que afinal havia outro treinador capaz,
eis que afinal o Benfica podia continuar a ser Benfica,
se calhar até mais Benfica,
sem que a coluna vertebral e os ideias desta instituição,
que é um símbolo de valores,
tivessem de ser dobrados ou quebrados.

Não duvido que houve mão do destino, destino que Bruno Lage agarrou com tudo, mas para quem afirmava que "só Jesus" podia ter sucesso, aqui está o 37, prova evidente de que o Benfica só tem de ser Benfica para ser Glorioso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 00:18


10-0, Chalana! O teu 10!

por Ao Colinho do Isaías, em 10.02.19

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 19:52

Obviamente que o gene do mal está enraizado nesta gente duma forma muito complicada...

https://obenficasoueu.blogspot.com/2019/01/errar-e-humano-mas-roubos-destes-antiga.html


Esta é a afirmação fundamental de mais um excelente artigo de O Benfica Sou Eu.


Tudo dito.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 14:34


Alberto Miguéns é o Capitão do Benfiquismo

por Ao Colinho do Isaías, em 10.01.19

O Que é Que Me Faz Ficar Possesso? Tirar-me do «Sério»?!

miguens.PNG


Uma vénia e profundo agradecimento, caro Alberto. Desde o início deste blog que defendo a presença do Alberto Miguéns na estrutura do clube, para servir de equilibrio Histórico no aconselhamento às decisões a tomar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:32


Grato, Rui Vitória! Boa Sorte, Bruno Lage!

por Ao Colinho do Isaías, em 04.01.19

Grato, Rui Vitória, por ter feito parte da História do Glorioso. Merecia sair pela porta grande, mas não pôde acontecer assim. Há já um tempo que a sua posição estava insustentável e sabiamos que bastava um desaire para apagar a "luz" a Vieira.

Boa Sorte, Bruno Lage! Esperemos que lhe seja dada a mesma oportunidade, tempo e confiança que ao seu predecessor e que nunca seja apenas um treinador a prazo. Vença e fique!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 07:58


Bom Natal, Benfiquistas!

por Ao Colinho do Isaías, em 23.12.18

Bom Natal, Benfiquistas!

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 20:03


Que nuvem?

por Ao Colinho do Isaías, em 13.12.18

A primeira fase do ciclo após a novela acerca da permanência ou saída de Rui Vitória concluiu-se ontem, com sucesso no resultado, mas com a permanência de uma desconfiança que, como se sabe, será difícil de sacudir.

 

Feirense e Paços de Ferreira com serviços mínimos, Vitória de Setúbal com muita vontade e auto-domínio, pois pouca possibilidade houve de se jogar futebol, e ontem, uma vitória sobre o AEK arrancada a livre.

 

A espaços, o AEK parecia uma equipa do campeonato Português, daquelas que vêm defender o pontinho à Luz e tentar qualquer coisa mais numa bola parada. O Benfica não se conseguiu impor, porque insiste em levar o jogo para onde o adversário o conduz. Mas não foi sempre assim, não só com Rui Vitória mas também já esta época, em que se viram exibições, com Jonas indisponível, recheadas de dinamismo e imprevisibilidade.

 

Algo se abateu sobre a equipa e terá sido mais que apenas uma derrota em Amsterdam. Que nuvem desuniu o grupo e o afastou do seu treinador? Rui Vitória tinha demonstrado até então uma grande capacidade (aliás, a sua melhor característica) de manter os seus jogadores motivados e em sintonia consigo e com o esforço que o clube merece, o que tem compensado lacunas noutras áreas. Parece ter perdido, espero que momentaneamente, essa capacidade e, para mim, deveu-se à perda pública da sua humildade.


Pressionado pela comunicação social, Rui Vitória viu-se forçado - e isso por ter sido abandonado pela comunicação do clube, note-se - a referir vez após vez que ganhou isto e alcançou aquilo com o Benfica. Se compararmos tal discurso com o dos anos anteriores, eu penso que o prurido com o grupo terá começado aí, mas não posso deixar de responsabilizar a comunicação do clube.

 

O departamento de comunicação não serve apenas para lançar umas larachas no Twitter ou emitir comunicados. Serve para proteger quem, do clube, precisa de comunicar publicamente. Perante a pressão sobre Rui Vitória, que foi exercida pela comunicação social, deveria ter sido este departamento a falar pelo treinador, até, possivelmente, dizendo o mesmo (que já ganhou títulos). Só que uma coisa é alguém, com veemência falar sobre Rui Vitória, outra é o próprio ter de adoptar uma postura que é contra-natura em relação à sua, até então, habitual persona pública.

 

É especulação, nesta fase. Os resultados têm vindo (ao menos isso!) e espero que continuem a vir. Rui Vitória já esteve nesta posição antes, mas tinha um plantel melhor que o actual. O que é verdadeiramente fulcral é que ele seja absoluta e inequivocamente protegido pela comunicação do clube, mesmo que já esteja decidida a sua eventual saída.

 

Espero também que a comunicação do clube venha ser publicamente clara quanto às questões que assolam o clube neste momento e que venha garantir que Jorge Jesus não voltará a ser funcionário do Sport Lisboa e Benfica.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 10:41


Foi engodo à toupeira?

por Ao Colinho do Isaías, em 29.11.18

Tudo o que diz respeito ao Benfica, especialmente se for polémico, é um festim para a comunicação social deste país. Muito tem sido dito e escrito, ao longo dos últimos anos, por jornalistas e bloggers, com aparente acesso a vislumbres do que se passa dentro de portas do clube e da SAD.

 

Luís Filipe Vieira pode ser muita coisa, mas estúpido, não é. Será que aproveitou este momento para expor a verdadeira toupeira (dentro) do Benfica? É que à noite teve uma reunião com um número limitado de pessoas onde afirmou perante todos que Rui Vitória sairia. Depois, especulo eu apenas, imagine-se que a sós com cada um dos presentes, deu um nome diferente a cada um para o sucessor de Rui Vitória. A quem desconfiava mais, porque de certeza já desconfiava, deu o de Jorge Jesus.

 

E qual foi o nome que, em primeiríssimo lugar,  logo ao fim da noite, começou a sair nos meios de comunicação social e blogs, como sucessor de Vitória? Jorge Jesus. A toupeira identificou-se, mordendo o engodo. Quem será a toupeira? Talvez fiquemos a saber em breve. Tenho o meu palpite, mas guardo-o comigo.

 

Não ficou, como eu desejava, absolutamente claro que Jorge Jesus nunca mais, mas deu a entender, quando disse que queria alguém perfeitamente identificado com o "projecto da formação", que não seria hipótese. Espero, verdadeiramente, que nunca mais seja hipótese, mas não ficou absolutamente clarificado.

 

Não entendo, honestamente, os reais motivos que levaram Luís Filipe Vieira a manter Rui Vitória, nem se este conseguirá agarrar outra vez nos seus jogadores e arrancar a equipa deste ciclo, invertendo-o. Duvido que tenha mesmo sido "uma luz que lhe deu", excepto a "luz" de saber com toda a certeza quem é que andava a dar informações à comunicação social. Que terá aproveitado este seu passo de dança para expor o bufo, isso parece-me evidente.

 

Vamos aguardando pelas cenas dos próximos capítulos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 21:10


A vulgar metáfora da vaca

por Ao Colinho do Isaías, em 29.11.18

Devo começar por esclarecer que NINGUÉM na blogosfera me conhece pessoalmente ou sabe quem eu sou. Sou um anónimo Benfiquista que, como tantos outros, escreve o que pensa de forma independente e quando tem algo para dizer, individualmente. Não comunico com qualquer outro blogger Benfiquista fora das caixas de comentários, que são públicas e visíveis neste e noutros blogues (quando os comentários não são censurados, claro está).

 

Por forma a deixar clara a minha posição absolutamente individual quanto à propaganda em curso para limpar a imagem de Jorge Jesus e fazer os Benfiquistas aceitar o seu regresso, penso ser mais fácil fazê-lo, falando em Português "tasqueiro", ou seja, em linguagem mais popular e até vulgar, se não me levarem a mal, nem se sentirem ofendidos (agradeço o esforço nesse sentido).  Vou tentar esclarecer, com uma metáfora, como vejo INDIVIDUALMENTE (só aqui da minha cabeça, sem conspirações com mais ninguém, nem acções concertadas) essa propaganda em curso.

 

Assim, é equivalente a uma namorada toda boa que se teve durante anos e com quem tínhamos grandes noitadas de caloroso convívio. Acontece, contudo, que sustentar esse namoro saía caro, bem caro. Eram os jantares, as jóias, as roupas, os cremes, tudo caríssimo, mas ela era tão boa que até se ajoelhou, depois de quase nos levar ao êxtase mas nos deixar pendurados e agarrados, perante aquele gajo que não te grama nem à lei da bala - para seu regozijo e tua vergonha.

 

Pois a certa altura, e uns tantos orgasmos e muito dinheiro gasto depois, começou a considerar-se que era muita massa. Começou a repensar-se a relação - havia que baixar os custos e que propor-lhe algumas alterações à forma como funcionava este intercâmbio. O que faz então a namorada? Começa a olhar à volta e vai jantar com um dos teus inimigos enquanto ainda andava contigo e a planear o seu futuro sem ti - afinal ela é a última bolacha do pacote.

 

Pois bem chega um belo dia em que, depois de terem mais um orgasmo "à campeão" juntos, ela corre para os braços do teu inimigo, que lhe prometeu mais roupa e jóias (e não esquecer as vastas contas do cabeleireiro) e começa a dizer mal de ti - não só a ele, mas aos "manfios" com quem ele se dá, apenas unidos no seu ódio contra ti. Diz-lhes como te podem atacar, por vingança, de ter sido sequer posta em causa a forma da tua relação com tal beldade e tão competente veículo de êxtase (isso quando conseguia te fazer vir, no fim, pois às vezes estavas quase, quase, mas depois doía-lhe a cabeça e deixava-te de calças em baixo).

 

Ora, ela passa três anos abraçadinha ao teu inimigo e seus aliados de conveniência (ou inconveniência, como se veio a provar) e a custar-lhe ainda mais dinheiro. Só que, depois, como o orgasmo que prometera ao teu rival tardava em chegar e ele, farto de esperar (e seguramente em clara frustração sexual, por essa altura), começou a ameaçá-la de porrada, teve de fugir com um árabe.

 

Das arábias, apesar de rodeada de luxo e com um parceiro fácil de agradar, começou a pensar que, afinal, tu é que eras o homem para ela. Então o que faz ela? Fala com jornalistas (sempre amigos, dos eventos do jet-set em que ela, toda maquilhada, participava como rainha) e dá uma entrevista a dizer que boa dama à casa torna, piscando-te o olho.

 

Ora bem, aqui tu tens duas hipóteses: ou és honrado, tens amor próprio e recusas liminarmente toda e qualquer reaproximação, ou comportas-te como "um verme, sem coluna vertebral" (podia e devia ter escolhido outras palavras equivalentes, mas menos claras) e começas a dizer a todos os teus amigos que, afinal, ela quando fez aquilo foi por tua culpa e que não há problema ou impedimento em voltarem a andar juntos - como se não houvesse mais peixe no mar!

 

Costumo ter cuidado na linguagem que escrevo no blogue e até em comentários a outros. Assumo que, quando escrevi as palavras "verme, sem coluna vertebral", podia e devia ter escolhido outro vocabulário. Percebendo que tinha sido ofensivo, assumindo a responsabilidade do que escrevera, por mim e sem conluio, pedi honestas desculpas pela ofensa causada e linguagem vulgar. É que apesar de as palavras terem sido infelizes, por ofensivas, a ideia que transparecem é correcta: a tentação do comportamento "extremamente flexível a nível moral" (aqui está uma linguagem alternativa que me devia ter ocorrido na altura) está lá para todos, mas isso não significa que devemos ceder a ela.

 

Peço por isso, a si, leitor, que me perdoe a linguagem vulgar e que tente entender para além dela e descobrir o verdadeiro significado da metáfora grosseira (e potencialmente ofensiva, pela linguagem) e o motivo pelo qual os Valores do nosso Sport Lisboa e Benfica não se coadunam com o regresso de Jorge Jesus e que, promover tal regresso e considerá-lo, é desrespeitar o clube e a sua História honrada. Até pode vir a acontecer, mas isso (usando uma expressão popular) não muda o nome do boi... ou da vaca, neste caso.

 

Não há golpes, conluio ou concertação contra ninguém: há Benfiquistas verdadeiramente e honestamente ofendidos com a hipótese do regresso de Jorge Jesus, pelos motivos já referidos, e há linguagem vulgar e grosseira que, por muito que queiramos, às vezes nos sai da emoção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 08:54


Respeitar a História do Benfica é respeitar os seus Valores

por Ao Colinho do Isaías, em 28.11.18

A posição de Rui Vitória, abandonado ao seu destino por uma estrutura que soube louvar-se nos seus dois anos de sucesso, mas que encolhe-se agora perante a sua deriva, está, há semanas, insustentável - é facto.

Contudo, quando se pensa num eventual sucessor do actual treinador, tem de se ter sempre em mente o respeito para com os Valores do Sport Lisboa e Benfica, pois foram estes que nos trouxeram a História magnífica de que dispomos nesta instituição. É que o Benfica é mais que troféus; é também honestidade, justiça e honra.

 

Posto isto, o ponto prévio que salta logo à discussão sobre um possível regresso de Jorge Jesus, que já enjoa quer os pró quer os contra, é o de que Jorge Jesus não pode, por uma questão de honra Benfiquista, voltar a ser funcionário do clube. Porquê? Porque participou activamente numa campanha de enxovalho e ataque ao bom nome do Sport Lisboa e Benfica. Esteve lado a lado, de mãos e braços dados, com um aspirante a Pinto da Costa verde-e-branco que tudo fez para denegrir uma instituição (Benfica) a quem a sua (Sporting) teve de ir aliciar, com dinheiro, os seus primeiros futebolistas, para ganhar qualquer coisa e não fazer corar de vergonha o seu aristocrata fundador e financiador. E fez mesmo tudo, esse tal Bruno de Carvalho, que, à boa moda lagarta, é hoje por eles repudiado, num volte-face mais rápido do que o Lucky Luke saca a sua arma. Ele lançou suspeitas, incitou à violência, desrespeitou protocolos, corrompeu, insultou - e que fez Jorge Jesus nessa altura? Enquanto isto se passava e Jorge Jesus sentiu o seu ego inchado por pontos de avanço, numa tabela classificativa que tem sempre a capacidade para nos surpreender quando fecham as jornadas, ele insultou, faltou ao respeito, ofendeu o treinador do Sport Lisboa e Benfica. Mais: Como pôde Bruno de Carvalho ter acesso a tanta informação que pôde adulterar a seu bel-prazer para lançar as suas campanhas anti-Benfica, que conquistaram os corações de tanto réptil? Foi Jorge Jesus, ponto!

Por isto, por honra Benfiquista, Jorge Jesus NUNCA MAIS!

 

Contudo, agora desenterra-se uma ideia que, já anteriormente o próprio clube quis propagar: a de que Jorge Jesus tem mais títulos que Otto Glória.

 

Otto Glória conquistou no Benfica quatro títulos de Campeão Nacional e mais três troféus da Taça de Portugal. Jorge Jesus conquistou três títulos de Campeão Nacional e mais uma Taça de Portugal.

 

Não se podem incluir Taças da Liga e Supertaça neste comparativo, pois só pode ser comparado o que é comparável: quantas Taças da Liga teria Otto Glória se as houvesse em disputa no seu tempo de treinador do Benfica? Como não se pode responder a isso, não pode ser incluído na comparação. Estranho até que pessoas ligadas à economia e estatística cometam esse erro.

 

É o mesmo que dizer que Pauleta, por exemplo, é um melhor marcador de golos pela Selecção Nacional que Eusébio, pois marcou, efectivamente, 47 golos em comparação com os 41 de Eusébio. Contudo, precisou de 88 jogos para chegar a essa marca (um rácio de 0,53 golos por jogo na Selecção), enquanto que Eusébio marcou 41 em 64 jogos (rácio de 0,64 golos por jogo na Selecção). Ora se no tempo de Eusébio haviam menos jogos Internacionais de Selecções e menos competições, teve menos oportunidade de marcar golos. Pelo rácio de golos marcados por jogos que demonstrou, se Eusébio tivesse podido jogar 88 jogos como Pauleta, prevê-se que o número de golos tivesse sido maior também.

Por isso,  não se pode comparar o incomparável. Otto Glória não teve Taças da Liga nem Supertaças a disputar, nem repescagem para a Liga Europa quando eliminado da Champions.

 

Otto Glória conquistou 4 Campeonatos para o Sport Lisboa e Benfica em 7 épocas no total, com mais 3 Taças de Portugal e 1 final da Taça dos Campeões Europeus (hoje Champions League, mas só com eliminatórias). O seu rácio de Campeonatos conquistado por épocas disputadas no Benfica é de 0,57 e o de Taças de Portugal conquistadas é de 0,42.

 

Jorge Jesus conquistou 3 Campeonatos para o Sport Lisboa e Benfica em 6 épocas, com mais uma Taça de Portugal. Taças da Liga e Supertaça, pelo mencionado acima não podem ser incluídos nesta análise, por falta de oportunidade de Otto Glória em as disputar. O rácio de Campeonatos ganhos no Benfica por Jorge Jesus é de 0,50 e o de Taças de Portugal conquistadas é de 0,17.

Jorge Jesus e Otto Glória são treinadores com o seu lugar devido e meritório na História inolvidável do Sport Lisboa e Benfica. Só que nem o futuro, nem o presente são o passado. O próximo treinador do Sport Lisboa e Benfica terá de ser alguém diferente.

 

Jorge Jesus NUNCA MAIS.

Autoria e outros dados (tags, etc)

rematado às 10:50




Ao Colinho do Isaías

foto do autor


O verdadeiro Isaías!


Jorge Jesus? Nunca Mais!


Jonas, um de nós!


Campeões Eternos


Fehér, eterno 29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

calendário

Maio 2019

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Pesquisar

  Pesquisar no Blog







subscrever feeds